transformamos a vida de milhares de jovens através da educação.

Everton Sabú
Fundador

Junte-se a Nós nesta missão!

5 Motivos para investir em campanhas patrocinadas no Facebook

Entenda porque esse pode ser um investimento com alto retorno

Os brasileiros somam mais de 130 milhões de usuários no Facebook, segundo dados da própria rede social, disponibilizados no começo do ano. O Brasil ocupa a 3ª posição no ranking de países com o maior número de perfis na plataforma de Mark Zuckerberg. No Instagram, são mais de 64 milhões de usuários, e esses números só crescem. Com o grande acesso da população na rede, as mídias digitais passaram a assumir um forte papel nas estratégias de marketing das empresas.

Aliás, nunca foi tão barato construir sua marca e criar uma nova demanda por seus produtos e serviços. Criar campanhas patrocinadas, é uma das principais estratégias das marcas, proporcionando resultados bastante positivos.

Confira a seguir, como elas poderão contribuir para o sucesso do seu negócio:

  1. Maior conhecimento sobre o seu público-alvo

O Facebook Ads possibilita que você conheça melhor o seu público, através de relatórios que mostram quem são as pessoas que interagem com seus anúncios, além de informações, como: gênero, idade, localização geográfica, interesses, entre outros dados. Desenvolver campanhas patrocinadas é extremamente importante para o sucesso do seu negócio. Afinal, elas oferecem maior alcance de público. E não qualquer público, mas o ideal, o que procura e se identifica com a sua empresa.

  1. Novos clientes

O Facebook Ads possui vários modelos diferentes que podem ser utilizados para atrair novos clientes para o seu negócio. É possível criar anúncios, promover posts, divulgar produtos, direcionar o usuário para uma landing page específica e muito mais. Você pode, ainda, aproveitar para veicular seus anúncios para um público segmentado, filtrando as pessoas de acordo com a região, idade, interesses, e etc.

  1. Aumento de tráfego para o seu site

Nas campanhas, você pode não apenas escolher o público que visualizará os anúncios, como também o objetivo deles. Dentre as opções, podem ser definidos: link de acesso ao site, curtidas na página do Facebook, download de material, cadastro, entre outros. Você pode conduzir os usuários do Facebook para o seu site, tendo assim, maiores chances de conversão.

  1. Engajamento

Se você deseja aumentar o engajamento e relevância de sua marca, é fundamental que você invista nas estratégias que o Facebook Ads oferece. Assim, seu conteúdo alcançará um número maior de pessoas. Quanto mais você impulsionar suas publicações, mais chances terá de aumentar também o seu tráfego orgânico, que são as visitas conquistadas de maneira espontânea, sem usar anúncios.

  1. Baixo custo

Para anunciar no Facebook Ads o orçamento não precisa ser muito alto. É possível iniciar uma campanha investindo apenas R$10 por dia, por exemplo. O valor de investimento dependerá muito dos seus objetivos e do retorno que deseja obter em curto, médio ou longo prazo.

Não perca mais tempo, com as campanhas patrocinadas a sua marca poderá alavancar, e você terá resultados incríveis.

Jumper Cursos inaugura nova unidade no Paraná

Rede de ensino profissionalizante continua expandindo no estado

No próximo dia 13 de março, a Jumper Cursos, rede do ramo educacional que atua no Brasil há 16 anos, inaugura sua nova unidade no Paraná, e a primeira em Londrina.

Com mais de 150 escolas em todo o Brasil, a nova unidade aposta em seu portfólio que conta com aproximadamente 500 cursos profissionalizantes, em sete diferentes áreas de conhecimento: administração e negócios, saúde, tecnologia, indústria, preparatório, idiomas e beleza.

Para conquistar o público londrinense, a franquia vai investir nas novidades da rede para 2019, como os treinamentos gratuitos, as bolsas de estudo para alunos da rede pública além do Programa de Intercâmbio Intertour, onde o aluno ao final do curso de Inglês passará uma semana em Orlando, imerso na cultura americana e conhecendo os parques da Disney.

“Nosso aluno vai terminar o curso fluente em inglês, e ainda ganhar a experiência de ir para fora do país, passar uma semana conhecendo outra cultura. Vamos proporcionar a realização de um sonho, e uma experiência cultural que marcará para sempre a vida deles”, conta Everton Sabú, diretor da rede de escolas.

Com metodologia de ensino que permite ao aluno aprendizado de alto nível, em curto espaço de tempo, a Jumper atrai cada vez mais pessoas interessadas em cursos profissionalizantes.  Já são mais de 600 mil alunos formados.  “Nossa metodologia é composta de dois pilares fundamentais, o método rotativo e o método prático de ensino. Neste sistema, o aluno pode ingressar no curso a qualquer momento, independente do tempo de andamento da turma. Sendo assim, pode iniciar na mesma semana em que fez a matrícula, sem a necessidade de aguardar nova classe. Além disso, contamos com salas de aula temáticas, onde os alunos têm maior experiência com o meio a ser estudado, e a podem colocar em prática tudo o que foi aprendido em classe.”, explica Everton.

No dia da inauguração, haverá o workshop gratuito “Como ser um digital influencer de sucesso”, às 18 horas, com a blogueira Bruna Constantino. As mulheres que visitarem à escola serão maquiadas gratuitamente e aprenderão técnicas de automaquiagem com duas maquiadoras profissionais, em homenagem ao seu dia.

Serviço:

Inauguração Unidade Londrina

Dia: 13 de Março de 2019

Local: Avenida Saul Elkind, 1450 – Londrina/PR

Mais informações em: https://www.facebook.com/JumperLondrina/

 

Sobre a JUMPER! Profissões e Idiomas

A JUMPER! é uma empresa brasileira atuante no ramo de franquias do setor educacional. Direcionada à área de cursos profissionalizantes e idiomas, a principal motivação da instituição é prover condições para o desenvolvimento humano.

Com 16 anos de história, a JUMPER! Franchising, conta hoje com mais de 150 escolas em todo território nacional, ultrapassando a base de meio milhão de alunos formados.

Localizada estrategicamente no coração da cidade de Curitiba-PR a central franqueadora implantou, juntamente a sede administrativa, uma escola piloto que serve de ambiente para treinamento de franqueados e colaboradores, proporcionando assim um aprimoramento constante de toda expertise técnica e prática necessária para o sucesso de suas franquias.

5 maneiras de investir seu dinheiro em 2019

Saiba como investir seu dinheiro e começar a lucrar em 2019

  1. ESTABELEÇA METAS

Uma das coisas mais importantes antes de começar um investimento, é estabelecer suas metas. Coloque no papel quais são seus projetos e objetivos, sejam eles de curto, médio ou longo prazo. Essa técnica é usada pelos maiores coaches financeiros do mundo. Colocar seus planos no papel pode te ajudar a absorver melhor as suas ideias, e assim, alcançar os seus propósitos.

 

  1. BUSQUE CONHECER MAIS SOBRE INVESTIMENTOS

Ter uma disciplina de estudo pode ser algo complicado para algumas pessoas, pois é necessário dedicação total àquele momento. Tenha sempre em mente que para ser um bom investidor, é importante entender melhor como o mundo dos negócios funcionam. Por isso, estabeleça horários durante o seu dia, para pesquisar mais sobre o assunto e assistir palestras de investidores, por exemplo. Um ótimo lugar para se informar sobre esse mundo, é aqui no blog da JUMPER!, temos vários posts com conteúdos sobre negócios e investimentos que podem te ajudar.

 

  1. PAGUE SUAS DÍVIDAS

Se você possui dívidas, primeiro negocie-as antes de fazer qualquer investimento. Com elas, não será possível acumular um patrimônio sólido. Se você é iniciante e tem alguma despesa antiga a ser paga, tente solucionar isso o mais rápido possível. Segundo o SPC (Serviço de Proteção ao Crédito), 63 milhões de brasileiros estão endividados, ou seja, 41% da população do país estão com o “nome sujo” devido a contas atrasadas. O indicado em casos de pendências é procurar meios de negociação, existem credores que disponibilizam facilidades para quitar os débitos.

 

  1. PLANEJE

Tenha o controle de suas escolhas. Evite tomar decisões baseadas nas vontades momentâneas e nas emoções. Priorize sempre os seus objetivos. Um bom investidor é aquele que economiza todos os meses para investir. É claro que alguns meses serão mais complicados que outros, mas o importante é ter uma vida financeira controlada, organizada e regrada. Para realizar os seus objetivos financeiros, é preciso ter muita disciplina e planejamento.

 

  1. INVISTA EM UM NEGÓCIO RENTÁVEL

Negócio rentável é aquele que gera alta lucratividade e segurança. Um exemplo de empreendimento que atrai investidores devido à segurança que ele oferece, são as franquias, principalmente as educacionais. As franqueadoras deste mercado movimentaram bilhões no ano passado, segundo a ABF (Associação Brasileira de Franchising).

Para ter uma franquia de educação, as redes não exigem que seus franqueados sejam formados na área, e a gestão do empreendimento é sem grandes complicações. Entre as melhores franquias do país, está a JUMPER! A empresa já conta com mais de 150 franquias espalhadas por todo o Brasil.

O empresário e diretor da franqueadora, Everton Sabú, conseguiu alcançar um negócio sólido e lucrativo. “Com uma metodologia de ensino diferenciada, a JUMPER! permite ao aluno um aprendizado de alto nível, em curto espaço de tempo, preparando-o para o mercado de trabalho, o qual tem sido cada vez mais competitivo. Sendo assim, as demandas de capacitação e formação pessoal e profissional são enormes, o que traz mais segurança na hora de investir.”, afirma.

E você, o que está esperando para começar a lucrar em 2019?

Vale a pena investir no mercado de educação?

Descubra como está o mercado de educação e quais são as vantagens de empreender na área

Hoje em dia, muito se fala em empreendedorismo. O tema virou matéria de faculdade, assunto em palestras e cursos. Os jovens são incentivados desde cedo a pensar nessa ideia promissora que cresce cada vez mais no mercado. Além da independência profissional, a flexibilidade é um ponto que motiva as pessoas a procurarem ter seu próprio negócio. Mas caso você esteja se perguntando, “no meio de tantas possibilidades de empreender, qual seria a melhor opção de investimento atualmente?”, nós te respondemos sem medo de errar, invista no mercado de educação!

Não é novidade para ninguém que as taxas de desemprego no país são enormes, e a busca por uma oportunidade de trabalho se torna difícil devido à alta concorrência. Neste cenário, se qualificar é a solução para se destacar em um mercado extremamente competitivo. Segundo estudo elaborado pelo site de busca de empregos Catho, no país, o domínio do inglês, por exemplo, é tão baixo que ocupamos a 41ª colocação em um ranking de proficiência no inglês que conta com 70 países. Isso mostra a importância e a grande oportunidade de investir em escolas de línguas, além de que, estima-se que o ensino de idiomas fature mais de R$ 35 bilhões anualmente no Brasil.

Atualmente, o mercado de franqueadoras educacionais conta com grandes grupos de renome, como a Jumper!, administrada pelo economista e empresário, Everton Sabú. A rede conta com consultorias e treinamentos de gestão periódicos, ministrados pelo próprio Everton, para que os franqueados tenham mais segurança em gerir suas escolas. O espaço é entregue para o franqueador, com toda a estrutura completa, ambientes montados e em pleno funcionamento. Além disso, a metodologia de ensino é desenvolvida da melhor forma, com materiais didáticos de qualidade e estratégias de captação de alunos definidas. A franqueadora não exige que o investidor tenha alguma formação na área de educação para abrir uma unidade, apenas a vontade de empreender em algo promissor.

Segundo Sabú, existe uma carência na educação brasileira e as franquias deste segmento podem “surfar” nesta onda. Há muitas demandas de capacitação e formação pessoal e profissional no Brasil. “Os jovens tendem a procurar por cursos profissionalizantes, para que possam complementar sua formação e se destacar no mercado de trabalho.”, comenta Everton. Em recente pesquisa, o Senai apurou que 51% dos jovens brasileiros que nunca estiveram em um curso profissionalizante desejam se matricular em um. Além disso, 79% dos entrevistados consideram a especialização em uma área importante para seu futuro profissional.

Investir em uma rede de idiomas e cursos profissionalizantes tem a enorme vantagem de ser um serviço que nunca deixará de ser essencial para a população, além disso, a implantação do negócio é simples, e com fácil gestão. Por isso, se você está pensando em abrir um negócio, leve em consideração as franquias de educação, o mercado é promissor, e você não estará apenas investindo em capital humano, mas principalmente no futuro do país.

Quer saber mais sobre a JUMPER!? Acesse nossas redes sociais!

Guia completo para escolher e negociar o ponto comercial da sua franquia

Você já decidiu abrir a sua empresa e considerou as opções de marca dentro do franchising. Optou por esse modelo de negócio devido às facilidades que ele oferece e ao aumento das chances de sucesso. Porém, o resultado positivo depende de um fator bastante importante: o ponto comercial para franquia.

Afinal, a localização faz toda a diferença no potencial de vendas da sua unidade. E se você acha que isso é um tanto irrelevante, basta pensar um pouco. Provavelmente, você já recebeu a indicação de algum local, mas teve dificuldade para achá-lo. Ou optou por pagar mais em certo produto no estabelecimento X apenas porque era mais conveniente do que ir até a loja Y.

Essas situações são bastante corriqueiras e interferem no resultado do seu negócio. Por isso, é imprescindível saber escolher o melhor ponto comercial para atrair clientes. Para ajudá-lo nessa empreitada, criamos este guia, que abordará:

  • por que é importante escolher bem;
  • como selecionar o melhor ponto comercial;
  • o que é melhor: loja de rua ou de shopping;
  • como negociar o ponto comercial;
  • quais são os cuidados necessários antes de fechar o contrato.

Então, que tal saber mais sobre esse assunto e garantir que a sua escolha será acertada?

Ponto comercial: por que é importante escolher bem?

Você sabia que a localização da sua empresa pode ser determinante para até 50% do sucesso do empreendimento? Essa afirmação foi feita pela especialista Filomena Garcia, em entrevista à Exame. É claro que esse percentual varia conforme o setor de atuação do negócio, mas uma coisa é certa: o ponto comercial é um aspecto relevante tanto para os seus resultados quanto para a marca com a qual fechará contrato.

Por que isso acontece? A resposta passa por diferentes fatores, como você verá mais à frente. No entanto, é essencial compreender que a escolha do local deve ultrapassar a intuição e ser embasada pela razão. É assim que a administração da sua franquia colaborará para obter resultados positivos.

Nesse cenário, é preciso considerar seu modelo de franquia, potenciais clientes e vizinhos. Além disso, é necessário pensar no aluguel, nos aspectos estruturais e em todos os detalhes que ajudarão o negócio a evoluir.

O problema é que cada empresa e unidade franqueada tem suas especificidades — e elas impactam diretamente nos resultados. Por isso, essa escolha pode ser mais difícil do que parece.

Então, como selecionar o melhor local? A definição deve ser feita junto com a franqueadora. A marca geralmente presta esse suporte porque sabe da importância desse momento. Você pode fazer sugestões, mas é necessário avaliar as características do estabelecimento para saber se ele se enquadra no que é esperado pela marca.

Se todos os critérios forem condizentes, o local é aprovado. Caso contrário, negado. Isso ocorre principalmente quando:

  • a necessidade de obras equivale a 30% ou mais do valor investido;
  • o fluxo de pessoas que passam pelo local todos os dias é insuficiente;
  • o aluguel custa mais de 10% da previsão de faturamento para a unidade.

Assim, a marca garante que o franqueado cuide de seu capital de giro — valor destinado às operações diárias da empresa — e assegura que o estabelecimento estará visível para os potenciais clientes. Além disso, é analisado se as pessoas que passam pelo local têm perfil adequado aos produtos e serviços oferecidos.

Por exemplo: se você abre uma loja de roupas para surfistas em um bairro com concentração de moradores acima de 65 anos, terá mais dificuldade para vender seus produtos. Isso não significa que a loja está fadada ao fracasso, mas sim que as chances de sucesso são maiores em uma região mais descolada e frequentada por jovens.

Então, a pergunta que fica é:

Como escolher o melhor ponto comercial para sua franquia?

A resposta para esse questionamento requer a análise de vários aspectos. Os principais são os que listamos a seguir:

Perfil do público da região

A ideia, aqui, é avaliar o perfil das pessoas que frequentam as proximidades onde o estabelecimento está localizado. Esse público deve coincidir com o da marca para evitar problemas nas vendas da unidade.

É o caso de uma franqueadora que tem como alvo indivíduos pertencentes às classes A e B. Nesse exemplo, é pouco válido abrir um estabelecimento em um bairro com moradores de renda mais baixa, porque a tendência é que sejam realizados poucos negócios.

Da mesma forma, abrir um restaurante que funciona somente no almoço em uma área essencialmente residencial é pouco interessante, porque a maioria das pessoas está estudando ou trabalhando nesse horário. Assim, seria mais viável abrir a unidade próximo a uma região comercial.

Vale a pena pensar também sobre o comportamento do público-alvo. Veja se ele compra por impulso, se é morador ou apenas trabalha na região, se usa carro ou transporte público, se deixa de andar pelo local à noite por considerá-lo perigoso e por aí vai. Todos esses aspectos determinam o que é melhor.

Por exemplo: se você tem uma franquia de profissões e idiomas com funcionamento até as 22 horas, mas o bairro é conhecido por ser perigoso, a tendência é que haja uma queda de pessoas circulando no local, o que impactará as vendas realizadas. Nesse caso, é mais interessante abrir o seu negócio em uma rua mais segura e movimentada.

Visibilidade e acesso ao local

O aspecto que mais determina o sucesso do ponto comercial da franquia é a movimentação da rua em que a unidade será aberta. Porém, há outras variáveis a considerar, especialmente a visibilidade e o acesso ao estabelecimento.

A regra é que lojas de esquina estão mais em evidência que aquelas que ficam no meio da rua. Isso ocorre porque elas são mais visíveis para pedestres e motoristas que estão parados em semáforos.

Outro item importante é a iluminação da rua. Quanto mais clara for, mais destaque sua unidade franqueada terá, mesmo após escurecer. Caso seu estabelecimento esteja localizado em um shopping, o ideal é ficar próximo a escadas rolantes e praças de alimentação.

Em relação ao acesso, o ideal é ter um convênio com um estacionamento ou deixar algumas vagas em frente ao estabelecimento. Essas medidas facilitam que pessoas de carro possam ir até a sua unidade. Lembre-se também de quem usa o transporte público e tente ficar próximo a estações de metrô e pontos de ônibus.

Mais que isso, considere o trajeto que a maioria das pessoas faz. Se você abre uma padaria, por exemplo, é melhor estar no caminho de ida. Por outro lado, lojas de artigos para casa ficam mais bem posicionadas na volta, porque, assim, o cliente adquire o que precisa e já leva diretamente para sua residência.

Por fim, considere os aspectos de acessibilidade para pessoas com deficiência. Esse é um atrativo bem grande, porque nem todos os empreendedores pensam nesse quesito. Além disso, é um direito assegurado por lei — mais um ponto a favor de fazer essa adaptação.

Custo de ocupação do imóvel

A abertura de uma unidade franqueada exige que você reserve uma quantia para o capital de giro. A franqueadora já fornece uma previsão de quanto será necessário para o funcionamento dos primeiros meses. A esse valor, deve ser acrescido o custo de ocupação do imóvel.

Esse montante costuma ter um grande impacto sobre as finanças. Por isso, recomenda-se negociar com os proprietários do ponto comercial. Uma ideia é sugerir o escalonamento do aluguel para aliviar o custo da empresa nos primeiros anos, período em que a tendência é vender um pouco menos até a consolidação da unidade.

Outra dica é se informar sobre o preço do metro quadrado na região e o valor dos aluguéis de espaços concorrentes. Com essa informação em mãos, é mais fácil negociar e fornecer argumentos condizentes.

Por fim, antes de fechar negócio, certifique-se de que inexistem custos ocultos, como dívidas do imóvel com a prefeitura, IPTU atrasado ou condomínio.

Análise da concorrência

Em alguns casos, a localização próxima aos concorrentes pode ajudar. Via de regra, se eles estão naquela região é porque o público-alvo vai até lá para consumir. Porém, é preciso cuidar para que essa estratégia não surta o efeito contrário.

Para o setor de alimentação, bem como franquias de chocolates e cosméticos, o ideal é concentrar para aproveitar o público que já comparece à concorrência. Essa, inclusive, é a estratégia do Habib’s, que sempre fica perto de um McDonald’s para atrair as pessoas que desejam variar o cardápio.

Porém, é preciso ter bom senso e tomar cuidado com incompatibilidades. Por exemplo: ter uma loja de perfumes ao lado de uma peixaria é algo que, com certeza, dará errado. Nesse sentido, é preciso analisar as marcas que concorrem e as que complementam seu negócio.

Assim, os concorrentes podem ser:

  • diretos: vendem produtos ou serviços iguais e buscam a mesma fatia de público. Por exemplo: duas agências de viagens;
  • indiretos: comercializam itens similares, mas que concorrem entre si porque se substituem em algum momento. É o caso de uma agência de viagens e uma companhia aérea ou de um financiamento de veículos que pode fazer o cliente desistir de comprar determinado móvel.

Avaliar essa questão é fundamental para evitar contratempos. Também é recomendado analisar se há várias lojas funcionando no local, se elas possuem fachadas atrativas e se vendem bem, porque esse é um sinal positivo.

Infraestrutura da região

Os serviços disponibilizados no local em que você pretende abrir a sua unidade são outro ponto determinante para a escolha. É inviável escolher uma região em que a internet oferecida é ruim, porque atualmente qualquer empreendimento depende desse fator. Avalie também a oferta de energia elétrica e água, que são indispensáveis para o funcionamento da unidade.

Outro fator relevante é a segurança, tanto para os colaboradores quanto para os clientes. Por isso, evite bairros que costumam ter problemas com queda de energia e número elevado de assaltos.

Considere também os aspectos legais que devem ser verificados com a prefeitura. Identifique o zoneamento comercial e avalie se a região escolhida permite a abertura da sua franquia, assim como a emissão de alvará sanitário, ambiental e de bombeiros.

Dentro desse escopo, vale a pena se preocupar ainda com:

  • padrão de calçada;
  • possibilidade de construir 2 ou mais andares;
  • restrições de estrutura da cidade;
  • limitações para obras no imóvel devido ao contrato.

Estrutura física do imóvel

A análise da infraestrutura da região por si só é insuficiente, porque também é necessário conferir a estrutura física do imóvel. É preciso identificar a necessidade de obras e quanto se deve gastar para adaptar o bem ao layout do negócio. Se o valor for elevado, tente procurar outras alternativas.

Considere que cada franqueadora tem um projeto arquitetônico que deve ser seguido a fim de garantir uma padronização. Por outro lado, se o imóvel for muito grande e ficar com um espaço ocioso, vale a pena procurar outro menor. Caso contrário, o custo de manutenção será muito alto e poderá impactar seu orçamento.

Há também questões difíceis de serem analisadas no início, como instalação elétrica inadequada, vazamentos, entre outras situações. Por isso, é viável levar um profissional qualificado para analisar esses aspectos antes de fechar negócio.

Por fim, você pode escolher um imóvel na rua ou em um shopping. A segunda opção traz mais segurança, mas a primeira também tem suas vantagens, como você poderá ver no comparativo que fizemos a seguir.

Shopping ou loja de rua: qual a melhor opção para uma franquia?

Essa resposta também considera diversos fatores. O primeiro passo é compreender que esses dois locais representam meios de compra distintos. Veja o que caracteriza cada uma das alternativas:

Shopping

A maioria dos franqueados opta pelo shopping por diferentes fatores, sendo um dos principais a segurança. Os dados são confirmados pela Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce) e pela Associação Brasileira de Franchising (ABF), que identificaram que 35% das ocupações nesses centros comerciais são de unidades franqueadas. A informação foi divulgada pelo site O Negócio do Varejo.

Os motivos que justificam essa preferência são a visibilidade, o grande fluxo de pessoas — muitas propensas a fazer compras por impulso — e a estrutura praticamente pronta, que exige menos adequações. Além disso, há o estacionamento e uma grande diversidade de lojas.

Porém, o shopping tem um inconveniente bastante importante: o alto custo. Isso é ainda mais importante quando o centro comercial ainda é novo e se desconhece como serão seus resultados.

Loja de rua

Os pontos positivos são a liberdade maior para promover ações de marketing e a flexibilidade de horários. Além disso, os custos são mais baixos e esse tipo de franquia costuma exigir menos recursos.

Por sua vez, o estado do imóvel pode exigir uma necessidade maior de adaptação, o que tende a elevar o investimento realizado. Então, quais pontos devem ser analisados ao escolher uma loja de rua? Confira os principais:

Despesas mensais

O shopping exige o pagamento de, pelo menos, 3 despesas mensais: o aluguel e as taxas de condomínio e de promoção. O ideal é que esses valores nunca ultrapassem 15% do faturamento, para garantir a viabilidade da sua empresa. Nas lojas de rua, esse percentual costuma ser de até 10%. É importante lembrar que a locação em um centro comercial tende a custar 30% a mais.

Horário

A loja de rua traz mais liberdade nesse quesito, ao contrário do shopping, que exige o funcionamento de segunda a sábado, das 10 às 22 horas, e aos domingos das 11 horas (para a praça de alimentação) ou 14 horas (para as demais lojas) às 20 horas. Esses horários ainda demandam a contratação de mais mão de obra, o que eleva os custos de horas extras e adequação de turnos.

Faturamento

Os estabelecimentos na rua tendem a ter um faturamento mais elevado. Uma pesquisa da consultoria Deloitte e da ABF, publicada pelo Uol, aponta que 53% dos franqueadores têm receita maior em lojas de rua. Além disso, 63% das redes têm mais rentabilidade nos locais públicos.

É claro que tudo depende do seu negócio. Por exemplo: uma unidade de idiomas e cursos profissionalizantes como a da Jumper Franquias fica melhor em uma loja de rua, que traz mais acessibilidade aos alunos. No entanto, além desses aspectos, há mais dois pontos a analisar.

Como negociar o ponto comercial?

A opção por empreender é difícil, especialmente porque é preciso lidar com vários custos. Um deles é o do ponto comercial da sua franquia, gasto que pode corroer o lucro de uma empresa se você deixar de negociar com o proprietário. Talvez você nem tenha parado para pensar nisso, mas acredite: é um ponto altamente importante.

Mais do que a escolha de um local adequado e que atenda às expectativas e exigências da franqueadora, é preciso que o imóvel atenda a outras demandas necessárias. A partir delas você poderá negociar com o proprietário e tentar diminuir o valor do aluguel.

Nesse momento, os pontos fundamentais sobre os quais é preciso entrar em acordo são:

Lei de zoneamento

As prefeituras dividem as cidades em áreas e cada uma delas permite o funcionamento de determinadas atividades. A emissão do alvará depende desse zoneamento. Por isso, verifique essa questão antes de fechar o contrato para evitar problemas.

Estado de conservação do imóvel

As obras necessárias no local devem ter um certo limite. Quando elas forem referentes à adequação ao layout da marca, tudo bem. Porém, se for necessário ajustar problemas, por exemplo, na fiação elétrica, converse com o proprietário.

Veja se ele faz o ajuste ou se concede algum desconto no aluguel. Negocie também uma carência de aluguel para os períodos em obras ou nos quais a empresa estiver inoperante.

Valor do aluguel

O preço cobrado deve ser compatível com a operação a ser implementada, bem como com o faturamento e os gastos esperados. Caso esteja inviável, verifique com o proprietário a possibilidade de rever o valor, pelo menos por um tempo.

Número de pessoas que passam pela região

A quantidade de potenciais clientes na região é fundamental e também pode se tornar um ponto de negociação. Visite o local em dias e horários diferentes e argumente com o proprietário. No caso de uma loja no shopping, é possível obter algum desconto no IPTU ou taxa de condomínio, por exemplo.

Lembre-se de que esse acordo deve ser firmado em contrato, com todos os detalhes bem especificados. As lojas de rua são melhores nesse sentido, porque é mais fácil obter reduções no aluguel.

Porém, nunca feche negócios informalmente, porque isso costuma ser contra a política da franqueadora e ainda pode gerar vários problemas.

Quais são os cuidados na hora de fechar o contrato de locação?

Nesse documento, devem constar todos os detalhes do acordo firmado entre locador e locatário. Ele deve ser válido por todo o período do aluguel e evitar qualquer ação de despejo. Tenha em mente que esses são requisitos obrigatórios para abrir um negócio próprio.

Por isso, é imprescindível avaliar os seguintes aspectos:

Celebração por escrito

O contrato sempre deve ser escrito, nunca verbal. Apesar de o segundo ser válido perante a justiça brasileira, ele deixa de assegurar alguns direitos, como a possibilidade de entrar com uma ação renovatória, que é aquela que prevê a renovação do contrato por igual período e condições.

Prazo por período determinado

A validade especificada em contrato deve ser cumprida até o final, exceto nos casos em que o proprietário utilizará o local para sua utilização ou de seus familiares diretos.

Esse direito resguarda locador e locatário, já que o primeiro consegue manter seu estabelecimento no mesmo local por vários meses e o segundo evita prejuízos devido à adaptação feita no ambiente para o franqueado começar a trabalhar.

Vale a pena destacar ainda que o prazo mínimo de locação é de 5 anos. Porém, a renovação deve ser solicitada 18 meses antes para garantir sua validade. Faça isso conversando com o proprietário. Se não surtir efeito, entre com a ação.

Cumprimento obrigatório do contrato por eventual comprador

O imóvel pode ser vendido, mesmo que sua empresa ainda esteja em funcionamento. Por isso, é recomendado inserir essa cláusula, para garantir que você tenha preferência de compra em caso de venda e para assegurar a continuidade do contrato até o fim, mesmo após a troca de proprietário.

Registro na matrícula do imóvel

O contrato pode ser averbado na matrícula do imóvel, procedimento comum para empresas grandes. Apesar disso, é indicado para empreendimentos menores, porque aumenta a segurança da transação para ambos os lados.

Como você pôde perceber, o ponto comercial para franquia é um critério muito relevante para o seu sucesso e atração de compradores. Ao seguir as dicas repassadas ao longo deste post, você terá resultados muito positivos.

Então, que tal abrir sua unidade franqueada? Entre em contato com um consultor da Jumper Franquias e veja como nosso negócio pode melhorar a sua vida!

Conheça as vantagens e desafios de abrir uma franquia

Assim como em qualquer tipo de negócio, as vantagens e desafios de uma franquia são os principais fatores de decisão para quem está pensando em se tornar um empreendedor de sucesso. Entender melhor como funciona a relação entre franqueador e franqueado pode ajudar a identificar as principais características desse modelo de empresa.

Neste post, vamos expor os pontos mais importantes no dia a dia de uma franquia, para você identificar se tem (ou não) o perfil ideal para atuar nesse segmento. Boa leitura!

Entenda o cenário atual de franquias no Brasil

O cenário das franquias no Brasil é excelente! De acordo com a Associação Brasileira de Franquias (ABF), os números do setor em 2017 mostraram crescimento no faturamento em 8% e na geração de empregos em 1% com relação ao ano anterior.

Em meio à crise econômica que se abateu sobre o país nos últimos anos, os dados são realmente muito positivos. E o faturamento do setor é crescente desde 2013, o que mostra uma tendência para os próximos anos.

Como vimos, o panorama é favorável, agora vamos conhecer, primeiro as vantagens e, depois, os desafios do setor.

Veja as principais vantagens

Abrir uma franquia tem uma série de vantagens com relação aos demais modelos de empresas. Vamos detalhar cada um dos principais pontos favoráveis, a seguir. Confira!

Know-how adquirido

Essa é uma das vantagens que mais economizam o seu tempo entre a decisão de montar o negócio e a sua inauguração. Quando você se torna um franqueado, todo o conhecimento adquirido pelo franqueador para a construção da empresa e da marca são transferidos para você.

Sendo assim, você simplesmente pula a etapa de fazer testes infindáveis para saber se o seu produto tem aderência ao mercado, se a sua marca está crescendo ou se os processos foram bem elaborados. Tudo isso faz parte do pacote!

Uma das responsabilidades do franqueador para com o franqueado é justamente a transmissão de conhecimento, por meio de treinamentos tanto em relação à parte da gestão administrativa da empresa quanto à parte operacional.

Plano de negócio estruturado

Essa é outra vantagem que poupará o seu tempo e esforço. Com um plano de negócios já pronto e estruturado, algumas decisões muito difíceis de serem tomadas, principalmente por quem está começando agora, já estarão acertadas. É menos uma preocupação no seu dia, deixando o seu foco na administração da operação da sua unidade.

Suporte e consultoria

O contrato de franquia garante suporte ao longo de todo o período de vigência. Em geral, são oferecidos os serviços de divulgação, advocacia, contabilidade e consultoria de negócios a todos os franqueados. Tudo isso para que o franqueador garanta a manutenção da imagem da sua marca e da qualidade dos produtos e serviços oferecidos aos clientes.

Além disso, ele precisa manter um padrão, que já é esperado por sua clientela. O suporte e as consultorias servem para o alinhamento das informações e dos processos entre as diversas unidades franqueadas.

Investimento em uma empresa que já está estabelecida

Uma das grandes desvantagens de abrir um negócio próprio é justamente o desconhecimento do público sobre você e sua marca. Construir uma reputação pode levar vários anos e nem sempre se tem verba suficiente para arcar com todo esse tempo.

Com a marca já reconhecida, a sua unidade já inaugura com clientela formada. Mesmo que sua unidade seja nova, os clientes já conhecem a empresa e pressupõem o que vão encontrar. Assim, basta manter um bom serviço e um bom atendimento que a tendência é de crescimento contínuo.

Confira os principais desafios

Nem tudo são flores no mundo das franquias. Os desafios existem e precisam ser enfrentados. Mas, não é nada impossível de ser feito, afinal o setor apresentou crescimento nos últimos 5 anos. Os principais desafios específicos de uma franquia são dois e vamos explicar cada um deles logo abaixo. Acompanhe!

Algumas decisões não serão suas

Infelizmente você não será o dono da marca, apenas terá o seu direito de uso. Isso significa que algumas decisões serão tomadas pelo franqueador e você terá que aceitá-las, por força de contrato.

Em geral, isso não é exatamente um problema, apenas uma forma de trabalhar. E boa parte das marcas de franquia possui um conselho formado por franqueados que ajuda a tomar algumas das decisões que afetará todo o grupo.

Pagamento de royalties e taxas ao franqueador

Todas as vantagens que apresentamos anteriormente têm um preço. Esse preço é representado de duas formas: taxas e royalties.

A primeira taxa é a de abertura da unidade, que é pagar ao franqueador para garantir a estrutura necessária, o treinamento da equipe e a transferência de conhecimento para o franqueado. Em alguns casos, são cobrados valores para fundo de uso comum. Esses fundos visam cobrir, principalmente, as despesas com divulgação da marca entre outros custos menores.

Já os royalties são os valores mensais que os franqueados devem pagar aos franqueadores como direito de uso da marca. É a quantia que se paga para gozar de todos os benefícios indiretos que a marca proporciona.

Analise as vantagens e desafios de uma franquia e entenda se ela vale a pena para você

Para entender se o modelo de franquia funciona para você, é preciso avaliar bem todos os pontos levantados até aqui. O que definirá a resposta para essa questão é o seu perfil profissional. Existem vários tipos de perfis empreendedores, mas dois deles são excelentes para explicar como identificar se você tem ou não o perfil certo para ter uma franquia.

No primeiro perfil, temos uma pessoa mais dinâmica e criativa, que está sempre em busca de mudanças e inovações. Esse tipo de pessoa tem facilidade em assumir riscos e tomar decisões mais difíceis sem medo de errar. Para ele, os desafios que listamos acima são muito mais difíceis de superar, pois esse tipo de pessoa pode se sentir presa.

No segundo perfil, temos uma pessoa que gosta de gerenciar equipes, não se importa em ter que seguir algumas regras e, principalmente, prefere não se arriscar. Para este perfil a franquia é o modelo ideal de negócio.

Se depois de analisar bem as vantagens e desafios de uma franquia você ainda tiver dúvidas, nós temos outro post que pode lhe ajudar a esclarecer melhor: “Franquia ou negócio próprio?”. Nos vemos por lá!

 

Abra o seu próprio negócio

3 vantagens e desvantagens de empreender e ser dono do próprio negócio

Depois de certo tempo tentando se adequar às exigências do mercado de trabalho, é natural ter a sensação de que o retorno recebido não é compatível com o esforço dedicado e que os frutos de seu trabalho estão sendo colhidos por outras pessoas.

Se você sente esse tipo de insatisfação profissional, já deve ter parado para pensar sobre as vantagens de empreender e sobre como sua carreira seria diferente se fosse um empresário.

Pensando nisso, no post de hoje trouxemos alguns pontos que devem ser levados em conta na hora de decidir se empreender é mesmo a solução para você. Veja!

3 vantagens de empreender

Empreender oferece muitas vantagens, principalmente no que diz respeito à autonomia que você passará a ter no seu trabalho. Vamos a elas!

1. Flexibilidade

Esse é, em geral, o principal objetivo que se tem em mente quando se pensa em empreender. Ter seu próprio negócio permite que você decida seu local e horários de trabalho, além de proporcionar autonomia para organizar suas prioridades nos âmbitos profissional e pessoal.

Como empreendedor, você decidirá onde e a que horas começará e parará de trabalhar, bem como o momento ideal para tirar férias.

É claro que isso não significa que você trabalhará menos, afinal de contas, você terá mais responsabilidades como dono do seu negócio do que como funcionário. Por outro lado, esse tipo de decisão partirá de você, equilibrando a saúde do negócio e seu próprio bem-estar.

2. Escolha da própria equipe

Uma parte fundamental de todo negócio é a equipe. Você já deve ter percebido que a desarmonia entre os membros de uma equipe impacta não apenas na motivação dos colaboradores, mas também nos resultados de um trabalho.

Enquanto dono do seu próprio negócio, você não precisará trabalhar com uma equipe que considere incompetente ou tóxica, uma vez que será você que escolherá seus membros e que também terá autoridade para auxiliá-los na resolução dos conflitos, promovendo um ambiente de trabalho agradável e motivador para todos.

3. Realização pessoal e financeira

Essa é uma questão central quando falamos em trabalho. Passamos uma parcela enorme do nosso tempo trabalhando, de forma que há pouquíssimo espaço na nossa rotina para projetos pessoais — principalmente quando é preciso conciliar vida profissional e família.

Desse modo, as oportunidades de encontrar realização pessoal fora do ambiente profissional são muito pequenas. É necessário, portanto, que as horas investidas no trabalho sejam também um investimento naquilo que é importante para você e para o desenvolvimento das suas habilidades.

Além disso, para se sentir motivado a executar suas funções com qualidade, é fundamental que você sinta que está sendo remunerado de forma justa, o que é difícil quando seu salário é muitas vezes inferior ao lucro que você proporciona ao seu empregador.

Empreender possibilita tudo isso, uma vez que cada hora trabalhada significa um investimento no seu próprio futuro e no de sua família. Também é muito mais fácil encontrar uma relação clara entre o seu esforço e o retorno financeiro obtido, uma vez que como empreendedor você trabalhará para si mesmo.

perfil-empreendedor
Faça já o teste e descubra se você tem Perfil Empreendedor

3 desvantagens de empreender

É claro que vantagens como essas não vêm sozinhas. Empreendedores também precisam superar alguns desafios! Confira as três principais desvantagens de empreender:

1. Burocracia

O primeiro obstáculo do empreendedor é que ninguém se torna empresário da noite para o dia. Há uma série de burocracias que devem ser resolvidas antes de dar esse salto na carreira, que vão desde a criação de um CNPJ a questões específicas do tipo de negócio que você pretende abrir.

Pode ser necessário alugar um ponto comercial, contratar funcionários, retirar alvarás e adequar os equipamentos do seu negócio às regulamentações de segurança e salubridade.

Sendo assim, planeje a abertura de seu empreendimento com certa antecedência e procure entender quais serão as necessidades de seu negócio. Dessa forma, você não será pego de surpresa.

2. Atenção às finanças

Também é muito importante que você esteja sempre de olho no desempenho do seu negócio. Afinal, como empreendedor você não terá mais uma renda fixa: seu esforço e a qualidade de suas estratégias serão determinantes para seus lucros.

Sendo assim, se quiser obter um bom retorno do seu negócio, você precisará registrar as entradas e saídas de produtos, acompanhar de perto as atividades dos seus funcionários e minimizar os seus gastos.

Mesmo que você tenha gestores competentes trabalhando com você, é fundamental ter conhecimento e comprometimento para acompanhar o seu negócio e possibilitar que ele cresça de maneira sólida.

3. Necessidade de investimento inicial

Por fim, mas não menos importante, está um ponto crucial nessa decisão: a disponibilidade de capital inicial para investir no seu empreendimento. A existência e o tamanho desse capital vão possibilitar ou limitar determinados tipos de negócio; dessa forma, é muito importante que você tenha isso em mente antes de escolher o campo em que gostaria de atuar.

Para dar conta dos equipamentos, do espaço e da folha de pagamento dos funcionários necessários para que você abra seu negócio, é fundamental dispor de um montante compatível de dinheiro para investir. Vale lembrar também que alguns negócios demoram mais tempo para se pagar do que outros.

Nesse contexto, também é importante falar dos riscos de empreender: nem sempre um empreendimento é bem-sucedido, de forma que não há garantia de retorno do seu investimento. Esse retorno e um subsequente lucro são consequências de boas estratégias e de muito trabalho duro.

As vantagens de empreender são muito sedutoras, mas tenha em mente que elas também acompanham grandes responsabilidades. De todo modo, essas e outras desvantagens de empreender podem ser contornadas se você souber se organizar antes de se tornar empresário e se mantiver atento ao desempenho do seu negócio.

Esperamos que este post tenha ajudado você a refletir melhor sobre a possibilidade de começar seu próprio negócio. Entender não só as vantagens de empreender, mas também as desvantagens, é o primeiro passo para o sucesso de uma nova empreitada.

Se você se interessa pelo assunto, não deixe de curtir a nossa página no Facebook para ser notificado das novidades do blog!

Como conseguir um financiamento para empreender? Saiba mais!

Segundo uma pesquisa coordenada pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN), 76% dos jovens brasileiros (entre 25 e 35 anos) sonham em empreender.

Esse pequeno recorte da realidade nacional mostra a motivação para a realização pessoal, a busca pela qualidade de vida e a maior liberdade que ter o próprio negócio traz. No entanto, a barreira financeira impede a realização desse sonho e, por isso, muitos recorrem ao financiamento para empreender.

Identificou-se com essa realidade? Então, o artigo de hoje é para você! A seguir, listaremos algumas das principais opções de financiamento disponíveis para quem pensa em empreender. Confira!

Empréstimos bancários

Geralmente, essa é a primeira opção levada em consideração por aqueles que almejam ter o próprio negócio e precisam financiá-lo. Algumas instituições, como a Caixa e o Banco do Brasil, têm linhas de crédito específicas para novos empreendimentos, por exemplo.

Apesar de se tratar de uma opção mais fácil de ser encontrada, as taxas de juros cobradas podem não ser as melhores — principalmente para quem está começando um empreendimento do zero.

Isso porque elas costumam ser altas. E levando em consideração que, no início, o negócio apresenta uma lucratividade que serve, basicamente, para cobrir seus gastos de instalação e manutenção, o novo empresário pode contrair dívidas.

Capital próprio ou familiar

O capital próprio também é uma alternativa muito utilizada pelas pessoas que estão começando a empreender. Ele pode ser obtido com a venda de bens em propriedade do empresário e, como não há custos ligados ao financiamento, o montante obtido é gerido conforme a vontade do indivíduo.

No entanto, a desvantagem de utilizá-lo é que a pessoa fica restrita quanto à expansão do negócio. Isso porque só será possível reinvestir com o lucro obtido após a abertura do empreendimento.

Nesse caso, existe uma alternativa — o empréstimo familiar. Seus benefícios são: facilidade de consegui-lo (em comparação com as outras opções) e juros bem menores, sendo um atrativo para quem está começando.

No entanto, é importante ficar atento, pois muitos investidores do tipo vão querer ter responsabilidades de gestão. Outra questão diz respeito aos atrasos, que podem trazer indisposição entre os membros e, até mesmo, cobranças por resultados no negócio — o que vai pressioná-lo a ter sucesso rápido.

Investidor-anjo

O negócio que você pretende abrir tem alto potencial de crescimento? Então, uma opção de financiamento para empreender é recorrer aos investidores-anjo. Trata-se de pessoas físicas que procuram por negócios com alto potencial para apostar.

Tradicionalmente, eles investem em empresas que estão começando e têm planos de negócio bem estruturados. Essa é uma boa opção para quem está começando um empreendimento inovador, mas é preciso ter atenção às desvantagens também.

Entre elas, destacamos a porcentagem de participação cobrada, que pode variar de 10% a 50%, dependendo de cada caso, limitando os lucros futuros. O investidor-anjo também terá certo controle gerencial, o que pode gerar problemas (como o empreendedor ter de abrir mão do gerenciamento para atender aos requisitos preestabelecidos pelo financiador).

Crowdfunding 

Outra forma de financiamento para empreender é o crowdfunding — ou financiamento coletivo, como também é conhecido no mercado. Trata-se de contar com a participação de um grupo de pessoas (pode ser pequeno ou grande) que investe seus recursos financeiros no novo empreendimento.

Para tanto, o novo empreendedor em questão apresenta a ideia ao público por meio de um site de financiamento coletivo, estabelecendo o quanto precisa obter para custear a ideia e estipulando um prazo para a arrecadação. No Brasil, esse modelo de investimento tem ganhado cada vez mais adeptos ano após ano.

O interessante é que o modelo apresenta vantagens como a redução de riscos do investimento e, também, uma maior visibilidade para o negócio. Outro benefício é o feedback dos financiadores, que podem sugerir melhorias e aperfeiçoamentos para a empresa.

No entanto, existem também as desvantagens, como os projetos que precisam de grandes quantias. Além disso, as verbas servem apenas para o início do empreendimento, não sendo sustentadas em médio ou longo prazo. Há, ainda, a possibilidade de ter o negócio copiado por outra pessoa, visto que será preciso apresentar a ideia para obter o dinheiro.

Linhas de financiamento para empreender com condições especiais para franquias

Existem opções específicas de financiamento para empreender em franquias. Os próprios bancos têm parcerias para fomentar esse tipo de negócio com algumas franqueadoras, mas ainda há a possibilidade das financeiras.

Algumas delas, por exemplo, permitem pagamentos em 42 meses e obtenção de capital de giro para o início do negócio. A vantagem é que tais instituições oferecem até mesmo juros abaixo de 2% ao mês, para que o franqueado possa começar seu negócio com maior tranquilidade.

Existem, ainda, aquelas linhas de crédito específicas para a aquisição de mercadorias diretamente do franqueador, bem como as com antecipação de recebíveis. As vantagens de se apostar nesse tipo específico de financiamento para empreender é que o empresário pode suprir diretamente suas necessidades específicas.

A única desvantagem é que será preciso pesquisar para ver qual instituição oferecerá mais vantagens, o que pode levar algum tempo, principalmente se elas exigirem planos de negócios com pontos específicos.

Bônus: como fazer a escolha mais acertada

Antes de optar pelo tipo de financiamento para empreender, o novo empresário precisa levar em consideração alguns fatores — e o primeiro deles é estudar suas necessidades financeiras. Para tanto, ele deve considerar de quanto o negócio precisará para começar suas atividades e manter-se por algum tempo.

Além disso, é fundamental mapear as possibilidades de financiamento para empreender, levando sempre em consideração as vantagens e desvantagens de cada uma delas. Só assim será possível escolher a opção que mais se encaixa à sua realidade.

Por último, organizar as finanças sabendo dos juros, do capital de giro necessário, dos pagamentos e de outros detalhes importantes do negócio é essencial para não ter que fechar o empreendimento.

Falando em organização, ela é essencial não só para as finanças, mas também para todos os processos que envolvem a construção de um negócio. Quer saber como se organizar para ser um empresário de sucesso? Leia nosso artigo sobre o assunto! Até a próxima!

Modelos de franquia: qual o ideal para seu perfil profissional?

Os números do mercado de franquia continuam a animar as pessoas que decidem investir no segmento. Segundo um estudo sobre desempenho da Associação Brasileira de Franchising (ABF), só em 2017 o faturamento das franquias foi de R$ 163 bilhões distribuídos em mais de 145 mil unidades pelo país.

O documento também apontou uma maior diversificação dos negócios e a interiorização dos empreendimentos, abrindo espaço para os novos modelos de franquia.

A seguir, mostraremos alguns desses modelos e as principais diferenças entre eles. Ao final daremos algumas dicas de como escolher a opção mais adequada ao seu perfil profissional. Confira!

Franquia unitária

Esse modelo é considerado o mais comum entre as diferentes franquias existentes no mercado. O franqueado ganha o direito de trabalhar com a marca, mas para isso precisa atender a algumas exigências contidas em um contrato específico.

Ela se caracteriza por não permitir a instalação de outra franquia da marca no mesmo ponto comercial, como acontece em shoppings centers com determinadas lojas e restaurantes, por exemplo.

Vale lembrar que o local onde será instalada a unidade de negócio também é preestabelecido pelo franqueador.

Franquia master

As franquias master têm uma característica bastante específica, elas são utilizadas pelas marcas que almejam expandir ou mesmo se internacionalizar.

Consequentemente, concedem ao franqueado o poder de abrir ou de terceirizar unidades da franquia em uma região, sendo que ele receberá um percentual dos royalties e das taxas da franquia aberta, repassando parte ao franqueador.

Ou seja, é oferecido ao empreendedor o direito de revender a “marca”. Nesse caso, o conhecimento de operação, subfranqueando unidades. Por esse motivo, é de suma importância que o franqueado possua um alto poder de investimento, já que ele coordenará toda a operação da região — no entanto, se o local comportar, ele terá a chance de obter altos lucros.

Franquia de conversão

A franquia de conversão é uma modalidade na qual o indivíduo, que já possui uma empresa, adapta o negócio a uma franquia existente no mercado.

Ele é adotado, principalmente, por empreendedores que desejam maior especialização da empresa, pois a parceria oferece a ele alguns padrões já desenvolvidos dentro do modelo de franchising, um renome de marca e todo o aporte de uma empresa já reconhecida no mercado.

A conversão costuma apresentar outra vantagem: o investimento do empreendedor precisará ser bem menor. Isso porque ele já terá boa parte do material, pontos de venda e outros insumos importantes para o desenvolvimento do negócio.

Essa adaptação também é uma forma de impulsionar vendas, visto que ele terá acesso a um conhecimento de marketing da franqueadora.

Franquia de desenvolvimento de área

A franquia de desenvolvimento de área se parece bastante com o modelo de franquia master. O franqueado pode abrir várias unidades do negócio em uma região, além de ter a possibilidade de vendê-las.

A diferença para a master é que, nesse modelo, o franqueado tem a obrigação de desenvolver as franquias, gerindo-as de maneira direta e não por meio de subfranqueados.

Entre as vantagens, há uma maior centralização do desenvolvimento do negócio, facilitando o processo de supervisão por parte do franqueador sobre a expansão em determinado território.

Para o franqueado, a possibilidade de deter os direitos de exploração da marca em território permite o estabelecimento de planos de expansão melhores. Esse é um modelo para aqueles indivíduos que desejam crescimento e possuem interesse em coordenar grandes empreendimentos.

Franquia shop in shop

O modelo shop in shop é perfeito para quem almeja a ampliação dos negócios. Nesse caso, o franqueado pode incorporar outra marca dentro do espaço do seu negócio, geralmente, um quiosque. A ideia é comercializar produtos complementares aos que já são vendidos no empreendimento.

O interessante desse modelo é que ele permite ao empreendedor diversificar a sua fonte de lucros e ainda conquistar clientes específicos adeptos à marca que será instalada no negócio.

Microfranquia

As microfranquias são caracterizadas por exigirem investimentos abaixo de R$ 90 mil. Elas são o modelo ideal para quem deseja iniciar o negócio, mas não possui um grande capital para investir. Geralmente, as microfranquias mais comuns são no ramo de serviços.

Devido ao baixo custo, o modelo de operações também costuma ser mais enxuto, permitindo ao empreendedor coordenar o negócio da sua própria residência. O modelo tem crescido no Brasil e é uma das apostas para o ano de 2018.

Franquia combinada

No caso das franquias combinadas, o negócio funciona de maneira distinta das outras opções apresentadas. Isso porque o mesmo empreendimento pode reunir diferentes marcas em um único local. Basicamente, o fornecedor é o franqueador, e o empresário que distribui os produtos é o franqueado.

Normalmente, isso ocorre nas lojas de esportes. Nesse tipo de empreendimento são combinadas diferentes marcas dentro de um único lugar. Desse modo, é bastante comum que esse modelo esteja associado ao shop in shop, pois algumas mantêm espaços exclusivos internamente.

 

perfil-empreendedor
Faça já o teste e descubra se você tem Perfil Empreendedor

 

Dicas para escolher entre os modelos de franquias existentes

Depois de conhecer os modelos de franquias que apresentamos é necessário aprender como escolher aquele que mais se encaixa no seu perfil de empreendedor. Para isso é importante levar em consideração as dicas que apresentaremos a seguir!

Saiba quanto tem para investir

Não dá para comprometer 100% do seu orçamento com a instalação da franquia. Afinal, você precisará de capital de giro para iniciar o negócio. Por esse motivo, faça os cálculos do montante disponível a fim de escolher a opção que se encaixe melhor na sua realidade.

Estude o segmento

Depois de saber exatamente quanto tem para investir é hora de estudar as franquias existentes no segmento escolhido por você.

Seja no ramo alimentício, beleza, serviços, educação ou outros, pesquise as franquias que se adequem à realidade do local em que ela será instalada. Algumas das áreas que citamos, como a educação, estão em franca expansão. Isso porque as pessoas estão cada vez mais preocupadas com a qualificação profissional.

Mas lembre-se: independentemente do setor escolhido, veja se a rede exige um número mínimo de habitantes na cidade, algumas estabelecem esses tipos de regras.

Procure se identificar com a marca

Você se identifica com a marca da qual pretende ter uma franquia? Se a resposta for não, é bom repensar essa escolha!

Afinal, você precisa ter afinidade com o segmento para poder desenvolver a franquia e obter sucesso com ela. Só assim você terá motivação para continuar aperfeiçoando os produtos e serviços oferecidos, bem como terá mais facilidade para entender o mercado em que está inserido.

Faça uma análise operacional

Cada franquia tem as suas especificidades operacionais. Ter domínio sobre elas é essencial para evitar dores de cabeça no futuro!

Sendo assim, procure conversar com outros franqueados da marca sobre as dificuldades, o relacionamento que eles têm com a marca franqueadora, e entender sobre o comprometimento da marca-mãe com o aperfeiçoamento e inovação contínuos do empreendimento.

Conhecendo os modelos de franquias existentes no mercado e seguindo as dicas apresentadas, a escolha pelo negócio mais alinhado ao seu perfil será bem mais simples. Consequentemente, as chances de sucesso também se multiplicarão.

Ainda tem alguma dúvida sobre o assunto? Quer saber algo em específico sobre o mercado de franquias? Deixe o seu comentário aqui embaixo!

8 livros indispensáveis para quem quer empreender

Ser um empreendedor de sucesso é algo que requer muito estudo e dedicação. Nesse sentido, existem vários livros para quem quer empreender disponíveis no mercado — e você não deve se esquecer de que manter a leitura em dia é primordial, certo?

Afinal, ser dono da própria empresa envolve dominar diversos assuntos, principalmente os que estão diretamente relacionados a gestão, finanças e negócios.

Pensando nisso, neste post, listamos 8 livros que vão trazer grandes inspirações, lições e dicas para que você empreenda e alcance o sucesso no universo corporativo. Vamos lá? Boa leitura!

1. Empreendedores Extraordinários (John Byrne)

Esse livro é bastante motivador, principalmente para quem está pensando em abrir seu negócio, mas tem medo de não conseguir enfrentar todos os desafios que essa empreitada oferece.

Para escrevê-lo, o autor entrevistou 25 empreendedores que passaram por grandes percalços até conquistarem um lugar de destaque no mercado — atualmente, eles são grandes nomes no mundo dos negócios. São histórias muito inspiradoras, que mostram como é possível vencer mesmo com perspectivas muito adversas.

Entre essas histórias está a de Howard Schultz, dono da Starbucks, que fundou a empresa, se afastou e depois retornou, reinventando tanto o negócio quanto a si mesmo. Tem também a história de Reed Hastings, cofundador da Netflix, que teve a ideia da empresa depois de pagar uma multa de $40 pelo atraso de uma locação de vídeo.

2. DNA do inovador (Clayton Christensen, Hal Gregersen e Jeffrey Dyer)

Os autores desse livro entrevistaram fundadores e CEOs de diversas empresas — como Apple, Amazon, Google e Skype — e identificaram 5 habilidades comuns a todos eles e que os diferenciavam como inovadores frente aos profissionais comuns.

De acordo com eles, um profissional com o DNA inovador tem as habilidades de associar, questionar, observar, trabalhar em rede e experimentar. Eles mostram como qualquer pessoa pode desenvolver essas habilidades para se tornar um profissional criativo, e o livro traz ainda um teste muito interessante que calcula o seu DNA inovador.

É o livro ideal para os empreendedores que buscam aprimorar sua capacidade de gerar novas ideias.

3. O jeito Disney de encantar os clientes (Disney Institute)

Quem já visitou algum dos parques da Disney pôde sentir na pele a excelência em atendimento de toda a equipe de colaboradores. O objetivo dos parques é tornar a experiência de cada visitante mágica e inesquecível.

Nesse livro, são contados os bastidores dos parques no que diz respeito a tudo que envolve o atendimento ao cliente. Ele dá excelentes exemplos que podem — e devem — ser seguidos por todos os empresários para aprimorar o relacionamento com seus clientes.

4. Franquia de A a Z (José Castro Schwartz)

Se você pretende entrar para o mundo das franquias, a leitura desse livro é praticamente obrigatória. Ele traz todos os termos utilizados por franqueados e franqueadores, além de dar um panorama sobre o assunto.

O livro, que funciona como um dicionário, também é muito útil para ter sempre por perto e tirar dúvidas do dia a dia. Seu conteúdo traz importantes direcionamentos e serve como um guia, tanto para quem está começando, quanto para quem já tem uma franquia.

 

5. Vamos juntos! (Renato Saraiva)

O livro conta a trajetória de sucesso de Renato Saraiva, fundador da rede de cursos online CERS, que está presente em vários estados do país. Renato foi concurseiro e viu na educação uma oportunidade de sucesso. Além de empresário, ele também é um autor consagrado na área do direito e procurador da Justiça do Trabalho.

Sua rede foi fundada em 2009 e atualmente conta com 150 mil alunos ativos cadastrados. O negócio teve um crescimento de mais de 50% entre 2012 e 2014, impulsionado pela melhoria do acesso à internet e pela ascensão da classe C, que é seu grande público.

No livro, Saraiva conta como foi essa caminhada e dá dicas de como aproveitar as boas oportunidades. De acordo com o empreendedor, “quando você divide as conquistas e responsabilidades, os benefícios e retornos se multiplicam e todos saem ganhando”.

6. 25 verbos para construir sua vida (Alberto Saraiva)

Nesse livro, Alberto Saraiva — fundador do Habib’s — conta a trajetória da sua vida profissional por meio de verbos como sonhar, conquistar, persistir, confiar, entre outros.

Quando criança, sonhava em ser médico, mas o assassinato do pai na porta da padaria da família mudou os rumos da sua vida. Naquele instante, ele precisou assumir o negócio do pai para ajudar no sustento da casa.

A cada verbo, Saraiva conta um trecho de sua vida e aproveita para dar conselhos diretos para o leitor sobre a vida pessoal, profissional e até mesmo espiritual. O livro também traz uma série de frases para o leitor refletir, tornando-se muito inspirador para quem está pensando em começar seu novo negócio.

7. Sinônimo de Sucesso (Vinícius Almeida Carneiro)

O livro conta a história surpreendente de duas pessoas que pegaram 3 mil reais emprestados e conseguiram montar 4 redes de franquias de sucesso. Vinícius Almeida Carneiro e Alexandre Loudrade são os personagens dessa história — que até parece fictícia, mas não é!

Os dois passaram por várias dificuldades e enfrentaram muitos desafios até alcançarem a marca de 350 franquias espalhadas por todo o Brasil.

É um livro que motiva principalmente aqueles que acham que não é possível começar um negócio com pouco dinheiro. Mesmo que o investimento inicial seja baixo, com trabalho e dedicação é possível transformar sonhos em realidade.

8. Salto (Matthew Syed)

O livro tem um subtítulo que já instiga: “a ciência explica Mozart, Federer, Picasso, Beckham entre outros sucessos”. O autor explica que o sucesso não depende de um talento nato, mas sim de muito estudo e dedicação.

Com isso, ele ressalta a importância de manter a empresa atualizada e buscar sempre aprimorar técnicas e processos, destacando a importância do espírito competitivo e da vontade de querer superar os próprios limites e melhorar as próprias marcas.

Manter a leitura em dia é imprescindível para ser um empresário bem-sucedido. Focar sua leitura em livros que agregarão conhecimentos práticos pode fazer toda a diferença para o sucesso de seu novo negócio. Além disso, esse pode ser o caminho para que você conquiste sua tão sonhada independência financeira.

Se você gostou de nossas sugestões de livros para quem quer empreender, curta nossa página no Facebook e fique sempre por dentro de todas as novidades da Jumper!