transformamos a vida de milhares de jovens através da educação.

Everton Sabú
Fundador

Junte-se a Nós nesta missão!

7 passos essenciais para uma boa gestão de equipe na sua franquia

O franchising é um modelo de negócios que tem tudo para dar certo. Mas o sucesso chega mais rápido com uma boa gestão de equipes.

Por mais que o negócio seja de pequeno porte, os colaboradores devem ser direcionados para seguirem as boas práticas da marca e trabalharem em prol do mesmo objetivo que o seu — pois é assim que as informações são transformadas em conhecimento e trazem bons resultados.

Pensando nisso, fizemos este post que apresenta 7 passos essenciais para gerenciar bem a sua equipe de colaboradores. Então, que tal conhecer as dicas? Acompanhe!

1. Ofereça e receba feedbacks constantes

As críticas e os elogios construtivos contribuem para a melhoria contínua dos resultados, porque é dessa forma que os colaboradores reconhecem seus pontos positivos e negativos. Com a ciência do que devem melhorar, eles podem aprimorar os talentos e garantir que a meta traçada seja atingida.

Você pode oferecer os feedbacks de maneira individual, quando forem direcionados e tratarem de problemas mais expressivos que precisam ser trabalhados. Porém, também é indicado fazer reuniões periódicas com a equipe, mesmo que rápidas.

Lembre-se sempre de repassar os elogios — afinal, eles amenizam as falhas e mantêm as pessoas motivadas para trabalhar.

2. Aprenda a delegar tarefas

Querer fazer tudo sozinho é uma estratégia que não dá certo. É preciso repassar responsabilidades aos colaboradores, já que essa também é uma forma de incentivá-los. Porém, é necessário alcançar um equilíbrio no nível de acompanhamento, certo?

Se exercer muito controle, provavelmente haverá problemas de autonomia e responsabilidade por parte dos colaboradores, sem contar que você ficará muito sobrecarregado. Por outro lado, afastar-se demais pode deixar a equipe perdida e sem direcionamento.

O ideal é encarar seu trabalho como o de facilitador. Afinal, uma estrutura engessada é algo que desmotiva e impacta negativamente a produtividade. A autonomia, por sua vez, aumenta a relação de confiança e melhora o ambiente de trabalho.

3. Assuma responsabilidades

Esse é o complemento do tópico anterior, porque a delegação de tarefas só aumenta seus deveres. Além do mais, é um critério fundamental para a liderança, já que você terá que tomar muitas decisões importantes e assumir a situação quando algo der errado, por exemplo, na venda de um produto para um cliente.

Tenha em mente que essa é uma via de mão dupla, porque os resultados derivados dos colaboradores só surgirão se você oferecer os subsídios necessários.

4. Lidere pelo exemplo

O empreendedor precisa ser o exemplo para a equipe. Para isso, é importante estar entusiasmado com os produtos ou serviços oferecidos e ter paixão pelo que faz. Por exemplo: se você abre uma franquia de idiomas ou cursos profissionalizantes, precisa ter amor pela educação para mostrar à equipe como essa prática é relevante para o futuro dos alunos.

Além disso, é essencial tratar todos com cordialidade e educação, mesmo em situações complicadas. Para tanto, mantenha o bom humor e concentre-se sempre no que é necessário para mostrar sua competência.

5. Estabeleça metas claras e objetivas

As metas e os objetivos que forem traçados devem ser bem delimitados. Mesmo que desafiadores, é importante que sejam realistas para evitar a desmotivação da equipe. Depois de elaborados, também devem ser compartilhados com todos para que o foco seja mantido.

Você também pode contar com a contribuição da equipe ao analisar a atuação de cada indivíduo e questionar o que a pessoa tem feito para atingir as metas. Dependendo da resposta e dos resultados, você vai saber se está na hora de rever os procedimentos.

Outra recomendação é revisar as metas mensal ou trimestralmente. Lembre-se de que as de curto prazo devem ser focadas nos objetivos do negócio, por exemplo, vender R$ 20 mil em 1 mês. Porém, você pode delinear outras de médio e longo prazos, com propósitos diferentes, como fazer investimentos ou expandir as operações.

Para garantir que todos estejam engajados nesse processo, mantenha as competências individuais alinhadas às do negócio. A partir do momento que o colaborador compreende como seu trabalho é importante para a empresa, ele tende a oferecer o máximo de si.

6. Conheça as individualidades de cada liderado

Cada colaborador tem suas próprias competências e esses talentos precisam ser valorizados para que os melhores resultados sejam atingidos. Tenha em mente que, assim, realizará uma gestão de equipes realmente eficaz, no qual o potencial máximo pode ser aproveitado.

A partir desse conhecimento, também fica mais fácil delegar as tarefas e evitar a ineficácia na execução delas. Nesse aspecto, perceba que a gestão que valoriza as individualidades permite ter um relacionamento mais próximo com os colaboradores — medida que impacta a qualidade de vida no trabalho.

Essa também é uma maneira de formar uma equipe de alta performance. Por mais que algum colaborador tenha uma lacuna de conhecimento técnico ou comportamental, essa questão pode ser trabalhada e corrigida a partir de feedbacks e alocação do recurso humano na função mais adequada às suas competências.

O único cuidado necessário é quando o profissional vai contra os valores e a ética de trabalho. Nesse caso, o ideal é procurar outra pessoa, que agregará mais para a equipe.

7. Desenvolva a cultura organizacional

O ambiente corporativo é recheado de valores que permeiam o trabalho de todos e a relação entre os colaboradores. Eles formam a cultura organizacional, que orienta o trabalho e indica o que a equipe deve fazer.

Responsabilidade, transparência e busca pela melhoria contínua, por exemplo, podem ser alguns dos itens que compõem a cultura. Devido aos aspectos positivos, essa é uma forma de os profissionais saberem o que é esperado deles. Assim, você pode incentivar o trabalho ético e em equipe em vez da competitividade.

A cultura organizacional também pode ser encarada como um fator estratégico. Afinal, os valores compartilhados tanto contribuem e influenciam no sucesso como agregam valor para clientes e colaboradores.

Em outras palavras, a gestão de equipes é uma prática essencial para o crescimento sustentável da sua franquia. Esse aspecto interfere nos resultados obtidos, inclusive financeiros, porque é dessa forma que todos atuam conjuntamente e com vistas a um objetivo comum.

Agora que você viu esses passos essenciais, que tal conferir outras dicas relevantes para a sua franquia? É só seguir a gente nas redes sociais! Curta nossos perfis no Facebook, LinkedIn, Instagram, Twitter e Google+.

 

Histórias inspiradoras: Antônio Luiz Seabra — fundador da Natura

A inspiração é um excelente combustível para a ação. Por isso, conhecer histórias inspiradoras é, sem dúvida, uma atitude bastante positiva para desconstruir paradigmas e estimular novas metas.

Neste post, você vai conhecer um pouco mais sobre a trajetória de sucesso de Antônio Luiz Seabra, a mente por trás da Natura, uma das maiores (e mais lucrativas) empresas do país. Preparado? Vamos em frente e boa leitura!

Antônio Luiz Seabra: a trajetória profissional do fundador da Natura

Há um denominador comum na maioria das histórias profissionais de sucesso: o trabalho árduo. Até que um empreendedor seja reconhecido e admirado por sua ideia, é certo que tenha empregado grandes esforços para viabilizar seu sonho.

Com Antônio Luiz Seabra, hoje listado entre os bilionários da Forbes (uma renomada revista americana), não foi diferente. Sua trajetória de trabalho começou cedo e foi repleta de desafios, superações e, é claro, muito empenho!

Já aos 15 anos, Seabra começou a trabalhar na mesma empresa do pai, como calculista de custos indiretos. Mais tarde, identificando afinidade com a área, escolheu a faculdade de Economia.

Logo após concluir sua graduação, conquistou uma vaga de trainee na Remington Rand, empresa multinacional que atuava na fabricação de computadores. Quando deixou o emprego, oito anos depois e com a intenção de migrar para a área de cosméticos, já era superintendente da operação.

Foi, portanto, nessa nova oportunidade profissional que Seabra teve a ideia embrionária da Natura. Ao gerenciar a operação do laboratório, Antônio teve contato com novas expertises e formulou um esboço conciso do que viria a ser, mais tarde, uma das marcas mais valiosas do Brasil.

Aos 27 anos, juntamente ao sócio Jean Pierre Berjeaout, Seabra fundou a Indústria e Comércio de Cosméticos Berjeaout Ltda. A adoção da palavra “Natura” foi feita poucos meses depois, quando a utilização de ativos vegetais foi definida como uma das estratégias do produto.

Começava, então, a história de uma empresa inovadora, ousada e, acima de tudo, muito bem gerida. O resultado dessa combinação pode ser visto no mercado até hoje, dia após dia, em números cada vez mais positivos.

Os principais sucessos de Seabra

Como já mencionamos, o sucesso é o produto de uma série de ações integradas. Não basta, por exemplo, conceber uma ideia e jamais colocá-la em prática. Da mesma forma, é inviável operacionalizar um negócio sem pensar em sua estratégia de mercado.

Não seria equivocado dizer, portanto, que um dos méritos de Seabra está justamente na sua capacidade de aliar competências e expertises, adicionando a elas boas doses de confiança, comprometimento e trabalho duro.

Em sua trajetória empreendedora à frente da Natura, uma convicção esteve sempre muito presente na gestão de Antônio: entender, de fato, a percepção de beleza e os desejos relacionados a esse ideal. De acordo com ele, o contato com o público foi fundamental para endereçar as demandas sociais e, assim, desenvolver estratégias capazes de prosperar.

O empresário inclusive declarou, em diversas entrevistas que concedeu, que o uso de produtos cosméticos nunca foi uma questão puramente estética; tratando-se, ao contrário, de um hábito cotidiano que resgata sentimentos ligados à autoestima, à satisfação pessoal e ao bem-estar.

Com uma visão ampla, centrada no consumidor, e uma proposta de valor diferenciada, optando por insumos naturais, a Natura desenvolveu seu modelo de negócios e intensificou sua abrangência.

As inovações, por outro lado, sempre foram uma característica da empresa. Seabra apostou, de início, no modelo de vendas diretas, recrutando pessoas comuns e transformando-as em consultoras de beleza para compor sua estratégia de penetração e propagação de marca.

Outro feito foi quando, ainda em 2007, a marca foi a primeira a oferecer refis de cosméticos no Brasil. Além disso, em função de sua preocupação com a sustentabilidade, foi pioneira em optar por produtos de carbono neutro — reduzindo e compensando a emissão de gases causadores do efeito estufa.

Já em 2015, a Natura foi contemplada com o prêmio Champions of the Earth, promovido pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), na categoria “Visão Empreendedora”, em reconhecimento aos seus esforços para destacar a sustentabilidade na condução dos negócios.

Muito embora não haja receita pronta para o sucesso, é inquestionável que a Natura, sob o comando de Seabra, trilhou um caminho próspero e de intensa ascensão. A combinação consistente de um modelo de negócios coeso com estratégias diferenciadas de produtos contribuiu para dar gás à operação.

Hoje, a empresa extrapolou as fronteiras brasileiras e mantém atividades também na Argentina, Colômbia, México, Peru, Venezuela e França — organizando, ainda, sua entrada no mercado norte-americano.

São cerca de 7.000 funcionários engajados nos processos internos e mais de um milhão e meio de consultores independentes. A grandeza da operação justifica o valor de mercado da marca: estima-se que a Natura valha, hoje, algo em torno de U$ 3,15 bilhões e lidera o ranking das mais valiosas da América Latina, de acordo com a Interbrand.

perfil-empreendedor
Faça já o teste e descubra se você tem Perfil Empreendedor

As maiores lições do empreendedor (e como aproveitá-la no seu negócio)

Como tivemos a oportunidade de conhecer, a trajetória profissional de Seabra foi marcada por muito trabalho, desafios e oportunidades. Antônio soube identificar e endereçar as demandas de mercado e, assim, criar produtos pertinentes aos desejos de consumo para a área de cosméticos.

Diante disso, é comum que outros empreendedores se questionem: “como posso me valer da experiência de Seabra para alavancar o meu próprio negócio?”. Veja algumas das principais lições do fundador da Natura e considere aplica-las sob a ótica da sua operação!

Amplie sua visão de negócios

As primeiras experiências de trabalho de Seabra (na área financeira ou na multinacional de tecnologia) não foram propriamente determinantes para seu desejo de empreender na área cosmética. Ainda assim, sua bagagem profissional foi enriquecida a cada contato com variados setores — e isso pode ser importante para construir uma visão ampla e coerente do mercado.

Encontre (e fortaleça) diferenciais competitivos

Ainda que não tenha sido a concepção inicial da Natura, o uso de ativos vegetais foi o que, de fato, proporcionou à marca um diferencial robusto. Por isso, certifique-se de construir, fortalecer e divulgar aquilo que destaca o seu negócio (produto ou serviço) dos demais concorrentes.

Aposte no seu modelo de negócios

A Natura apostou nas vendas diretas para alavancar sua abrangência e expandir sua operação. Atualmente, é possível perceber que a estratégia foi bastante acertada e proporcionou ganhos expressivos para a empresa. Vale a pena, portanto, revisar a estrutura do negócio e ajustar o que for passível de melhorias.

Antônio Luiz Seabra tem uma dessas histórias inspiradoras que costumam revigorar as energias do empreendedorismo. Aproveite as dicas e prepare-se para realizar seus sonhos — um por vez, todos os dias. Boa sorte!

O conteúdo despertou seu interesse e você deseja conhecer histórias semelhantes? Veja a trajetória de Paulo Lemann, um dos principais empreendedores brasileiros.

Como conciliar trabalho e família? Confira nossas 5 dicas

Você já teve a sensação de que o tempo passou rápido demais? Na nossa rotina atual, esse não é um sentimento incomum. Com tantas responsabilidades, muitas vezes é difícil conciliar trabalho e família.

Essa é uma questão geradora de angústia para muitas pessoas, que não conseguem fazer com que o sucesso profissional e familiar andem juntos. Se esse é o seu caso, saiba que é possível aumentar essa harmonia, seja você o funcionário de uma empresa ou mesmo dono do seu próprio negócio.

Quer saber como fazer isso? Veja as nossas dicas!

1. Organize sua rotina

O primeiro passo para ter um dia a dia mais tranquilo e sentir que sua semana rendeu, é organizá-la. Para se dividir entre trabalho e família, o planejamento é fundamental. Procure ter uma boa gestão do tempo quando estiver na empresa. Planeje suas ações e concentre-se em cumprir as metas durante o horário comercial, para evitar horas extras.

Em casa, também é possível se organizar para garantir melhor aproveitamento das horas. Analise a rotina da família e veja o que pode ser mudado, para que vocês passem menos tempo resolvendo problemas e possam relaxar mais juntos.

2. Saiba a hora de parar de trabalhar

No mercado de trabalho atual, esse pode ser um desafio para muitos profissionais. Com a competitividade em alta e as metas cada vez maiores, a tendência é que o brasileiro trabalhe sempre mais. Entretanto, saber a hora de parar é fundamental para quem quer ter sucesso também nas outras áreas da vida.

A palavra-chave sempre será o equilíbrio! Trabalhar demais pode trazer malefícios para a sua saúde, sua vida social e, claro, sua relação familiar. Descansar, cuidar de si mesmo e se divertir com as pessoas que amamos são aspectos fundamentais na vida de todos nós.

Sabemos que muitas vezes a empresa precisa de maior dedicação e pode ser necessário fazer hora extra, mas os limites precisam ser respeitados. Não se sobrecarregue e não exija compreensão excessiva dos seus familiares. Se a carga no trabalho estiver prejudicando sua saúde e suas relações, é hora de rever suas escolhas.

3. Utilize as vantagens da tecnologia

É possível se fazer presente em casa mesmo no horário de trabalho, basta aceitar a ajuda da tecnologia. Se você não puder almoçar com a sua família, aproveite esse horário para fazer ligações. Telefonar para sua esposa, filhos ou pais por alguns minutos por dia pode fazer muita diferença na qualidade da relação de vocês.

Durante outros intervalos do trabalho você também pode entrar em contato com seus familiares. Mandar uma mensagem ou fazer uma ligação rápida não vai atrapalhar seu rendimento na empresa.

A tecnologia não é útil apenas para facilitar a comunicação. Também existem opções para ajudar o seu dia a ser mais organizado e render mais. Os aplicativos de agenda, por exemplo, permitem que você programe os compromissos e receba alerta para se lembrar de tudo que foi combinado.

Além disso, há aplicativos que podem dar ideias de programas divertidos para fazer em família. Dessa forma, vocês perdem menos tempo decidindo o que fazer e conseguem aumentar os momentos de lazer juntos.

Para quem trabalha de forma autônoma ou tem a própria empresa, a tecnologia também serve para reduzir seu tempo no trabalho. Reuniões com clientes e pedidos a fornecedores podem ser resolvidos via internet ou telefone, evitando deslocamentos e aumentando o seu tempo em casa.

 

perfil-empreendedor

 

4. Valorize sua família

Não será possível conciliar trabalho e família enquanto o primeiro for prioridade absoluta, em detrimento do segundo. É preciso ter clareza de que a relação familiar é importante e que deve ser tratada com tanta seriedade quanto o trabalho. Do contrário, você sempre dedicará mais tempo à empresa e possivelmente desmarcará muitos compromissos familiares.

Lembre-se de que isso não é saudável. Para ser um bom profissional, você também precisa estar bem consigo mesmo e com quem você ama. Por isso, quando estiver com a sua família, procure se desligar totalmente do trabalho. O tempo de lazer e felicidade são positivos até mesmo para a empresa, pois aumentam sua disposição e produtividade.

Quem gere o próprio negócio provavelmente vai sentir mais dificuldade em distanciar-se do trabalho, por isso a organização da rotina foi nossa primeira dica. Você precisa coordenar a sua rotina de forma que os encontros com a família estejam planejados e ela seja prioridade absoluta nessas oportunidades. Se você só consegue separar poucas horas por dia, ou apenas o fim de semana, é importante que nessa hora as obrigações profissionais sejam postas de lado.

Preze por fazer refeições juntos e conversar toda noite, compartilhando o que aconteceu no dia de cada um e fortificando os laços afetivos. Nas folgas e fins de semana, façam programas que todos gostem. Esses são dias para se divertirem juntos. Fazer passeios e viagens é muito interessante, mas também é possível ter bons momentos em casa, sem gastar muito.

5. Delegue tarefas

Para fazer com que trabalho e família andem juntos, é preciso mais tempo, certo? Como o dia não pode ter mais do que 24 horas, você precisa otimizar a sua agenda. Uma dica é passar a delegar mais — e isso pode ser feito tanto na empresa quanto em casa!

No trabalho, é preciso reconhecer que há colegas com quem você pode contar. Observe se a sua carga horária é excessiva e analise quais atividades podem ser realizadas por outras pessoas ou, pelo menos, com a ajuda delas.

Em casa, vale a mesma ideia. Sua família é a sua equipe e vocês podem se ajudar. Para aproveitar melhor o tempo, divida as tarefas domésticas entre todos. Se a limpeza da casa requer muito de vocês, há a opção de contratar uma diarista. Delegue também o planejamento das atividades que vocês farão no fim de semana. Assim, quando chegar o dia, já está tudo organizado e vocês podem curtir.

Garantir momentos de qualidade na empresa e em casa não é impossível, mas requer organização e compromisso. Para conciliar trabalho e família, siga as nossas dicas! Você consegue ser um bom profissional e, ao mesmo tempo, investir no relacionamento com as pessoas que você ama.

Gostou desse texto? Para receber mais dicas como essas, curta nossa página no Facebook!

O que são franquias? Seu guia completo!

Atualmente, um novo modelo de negócios tem despertado a atenção dos empreendedores, especialmente aqueles que não contam com recursos financeiros próprios e desejam investir menos ao mesmo tempo em que contam com o apoio de marcas consagradas e experientes.

Neste guia, mostraremos tudo sobre o sistema de franquias: o que são franquias, o seu funcionamento, como abrir esse modelo de negócio, os tipos existentes e algumas boas opções para você escolher. Acompanhe tudo isso nos tópicos que seguem!

1. O que são franquias?

Para saber o que são franquias, considere o significado da palavra. Franquia é uma palavra que significa privilégio, isenção. Tanto é assim que se costuma usar o verbo “franquear” no sentido de “permitir”, “dar passagem”, “favorecer”.

No universo dos negócios, franquia é o nome dado a um sistema de comércio, o franchising. Trata-se de uma espécie de filial da empresa principal, de uma representante da marca que atua em outro lugar.

Podemos definir franquia também como uma estratégia de uma empresa matriz para distribuir e comercializar produtos e serviços em lugares diferentes por meio de representantes físicos (outras empresas). O nome “franquia” é usado tanto para se referir ao modelo de negócio como à pessoa jurídica que integra uma rede de franquias, ou seja, a unidade franqueada.

Lei nº 8.955/94 define franquia empresarial como:

o sistema pelo qual um franqueador cede ao franqueado o direito de uso de marca ou patente, associado ao direito de distribuição exclusiva ou semiexclusiva de produtos ou serviços. Eventualmente, também ao direito de uso de tecnologia de implantação e administração de negócio ou sistema operacional desenvolvidos ou detidos pelo franqueador, mediante remuneração direta ou indireta, sem que, no entanto, fique caracterizado vínculo empregatício”.

2. Franquia ou negócio próprio: qual o meu perfil?

Antes de optar pela franquia, o empreendedor deve ter certeza de que é isso mesmo que ele deseja. Afinal de contas, muitos empreendedores preferem abrir um negócio próprio. O perfil do empreendedor é fundamental para essa decisão. Convém comparar a franquia com um negócio próprio e visualizar as vantagens e desvantagens de cada um conforme seu próprio perfil.

Se você prefere mais autonomia em seu empreendimento, o mais recomendável é abrir um negócio próprio. Assim, você terá mais liberdade e terá total responsabilidade pelas decisões relativas sobre os tipos de produtos que serão vendidos, onde eles serão comercializados, a que preço, quem será o público-alvo e a forma de vender.

Ou seja, para abrir um negócio próprio, você terá que ter a ideia inicial e mais importante, deverá criar sua própria marca, deverá desenvolver ações de marketing para lançar o produto no mercado, deverá definir o perfil do cliente, escolher o ponto e os canais onde os produtos serão vendidos. Deverá também estar a par da legislação sobre o assunto, bem como compreender o mercado onde atua, as possibilidades e as limitações que ele oferece.

Outro aspecto a considerar é o seu conhecimento sobre o negócio que vai abrir e sua capacidade administrativa para controlar as finanças e tudo o mais que estiver relacionado à sua empresa.

Se você tem um perfil mais conservador e não está disposto a correr grandes riscos e lidar com a incerteza na construção de uma marca que pode ou não fazer sucesso, a franquia é uma boa opção. Você poderá contar com o know-how de uma marca já famosa ou de uma marca que está em fase de expansão.

Uma das características de uma franquia é que ela representa um modelo de negócio que já foi testado no mercado e já apresenta resultados mais consistentes. Ou seja, o empreendedor tende a correr menos riscos em relação ao investimento em um negócio próprio. Não se trata de risco zero, mas certamente é um modelo de negócio com riscos menores, mais moderados e, em alguns casos, previsíveis.

Contudo, para participar de uma franquia, é preciso renunciar a uma autonomia integral e respeitar um padrão predefinido pela marca franqueadora. As regras dessa empresa deverão ser seguidas e, ao mesmo tempo, ela oferecerá suporte profissional e qualificado para que o empreendedor abra seu negócio, selecione o melhor ponto de venda e de inauguração, bem como oferecerá treinamento ao empreendedor e sua equipe de trabalho.

3. Como funciona uma franquia?

Sabendo o que são franquias, você precisa compreender agora como funciona esse sistema de negócio. Veja alguns conceitos fundamentais para entender o funcionamento de uma franquia:

Franqueador

A empresa que disponibiliza a franquia, ou seja, ela possui os direitos sobre uma marca determinada, formata o modelo de negócio e cede o direito de utilização da marca a terceiros, acompanhado do conhecimento necessário para a abertura, desenvolvimento e divulgação do negócio (por tudo isso, o franqueador é remunerado pelos terceiros beneficiados).

Franqueado

Pessoa física ou jurídica que opta pelo sistema de franchising desenvolvido pelo franqueador, pagando pela concessão desse direito.

Royalty

É o valor que o franqueado paga ao franqueador periodicamente (geralmente, o royalty corresponde a uma porcentagem incidente sobre o faturamento bruto).

Taxa de franquia

Também chamada de taxa inicial ou franchise fee, é um valor único definido pelo franqueador que permite ao franqueado adotar o sistema, sendo pago na assinatura do pré-contrato ou do contrato de franquia (essa taxa também remunera a empresa franqueadora pelos serviços que já foram oferecidos ao franqueado e alguns franqueadores cobram um percentual da franchise fee todas as vezes em que o contrato é renovado).

Fundo de promoção (fundo de propaganda)

Trata-se do valor que é pago pelo franqueado e estabelecimentos próprios dos franqueadores para custear as campanhas de marketing que divulgam a marca (na maioria das vezes, o próprio franqueador administra o fundo, mas sempre coloca o franqueado a par de como o dinheiro foi gasto).

Conselho de franqueados

Grupo formado pelo franqueador e pelos franqueados com caráter consultivo e destinado especialmente à administração do fundo de propaganda.

Circular de oferta de franquia

Trata-se do documento que, conforme determina a lei, precisa ser entregue pelo franqueador ao candidato à proposta de franquia no período que antecede em até 10 dias a assinatura do pré-contrato, contrato ou pagamento de qualquer quantia.

A circular de oferta de franquia deve ser redigida com clareza e entregue por escrito. Nesse documento, devem constar todas as informações sobre a franquia, a rede de franqueados e todas as condições que o franqueado deverá seguir antes e após o contrato ser assinado.

Caso o franqueado resolva desistir do negócio, isso é permitido, ou seja, ele não precisa renovar o contrato. Mas, caso decida desistir antes do final do contrato, precisará pagar uma multa por rescisão. O ponto físico pode ser passado adiante, considerando que seja um patrimônio do franqueado.

Da mesma maneira, o franqueador pode desistir do negócio, considerando que a franquia não está dando os resultados almejados ou por não ter mais interesse no ponto.

4. Quais são as vantagens de ser um franqueado?

Ser franqueado apresenta algumas vantagens, como correr menores riscos, o que não aconteceria se tivesse que iniciar seu negócio do zero. Tendo isso em vista, o franqueado está respaldado por uma marca conhecida do público, com um status garantido e também tem todo o conhecimento da empresa franqueadora à sua disposição.

O franqueador também se favorece do negócio, pois poderá ampliar sua rede por estados, cidades e/ou bairros diferentes, conseguindo sócios que investem algum capital para abrir suas unidades de franquia.

Como o franqueado recebe conhecimento especializado do franqueador, pode se engajar no negócio com mais segurança e confiança, efetivando uma gestão mais eficaz. Esses aspectos contribuem para resultados mais satisfatórios que os conquistados em um negócio próprio. O franqueado trabalhará sempre buscando como objetivos principais a maior lucratividade e a maior rentabilidade — o ROI (retorno sobre o investimento) poderá ser mais rápido do que se pensa.

Em relação aos aspectos jurídicos, o sistema de franquias já tem maturidade suficiente na economia, contando com uma legislação que define de forma explícita as responsabilidades de ambas as partes e a não vincularidade trabalhista e fiscal entre franqueador e franqueado.

Juridicamente estabelecida, a franquia oferece a possibilidade de controlar padrões e procedimentos operacionais, identidade visual e outros detalhes que proporcionam experiências mais efetivas ao consumidor.

Com o conhecimento compartilhado, os franqueados têm a oportunidade de difundir práticas que se mostrem eficientes e lucrativas, aumentando o potencial da rede e gerando vantagens competitivas para eles.

Na verdade, é um sistema de negócio baseado no trabalho conjunto e, trabalhando em parceria, tudo se torna mais fácil, inclusive a expansão da rede (novos espaços poderão ser ocupados com mais rapidez, possibilitando fazer frente à concorrência, especialmente as empresas que não adotam sistemas de franquias). A expansão da marca acontece, portanto, com mais agilidade, mas também com mais economia.

Cada franqueado deve lembrar que o sucesso de cada unidade ajuda a marca a se fortalecer ainda mais e gera maiores possibilidades para cada um deles. Veja o resumo das vantagens específicas para o franqueado:

  • o negócio já começa contando com a credibilidade de uma marca (que pode ser muito consagrada entre os consumidores);
  • o apoio do franqueador;
  • a existência de um plano de negócio: geralmente, empreendedores com menos recursos financeiros e patrimoniais não têm tempo e habilidades suficientes para fazer a previsão de fatos político-sociais e econômicos que podem interferir no negócio. Por outro lado, com o suporte do franqueador, os riscos diminuem, principalmente os financeiros;
  • uma maior garantia de mercado: o franqueado usufrui da vantagem competitiva oferecida pelo franqueador, o qual já testou e vendeu seus produtos em larga escala, além de ter planejado a expansão e deter o conhecimento mais aprofundado de seu público-alvo (o franqueador dispõe de informações importantes sobre o processo de produção e venda, bem como conhece melhor as estratégias das marcas concorrentes);
  • o planejamento otimizado dos custos de instalação: ao oferecer projetos de arquitetura e as plantas de engenharia das edificações, o franqueador calcula e divide os custos com o franqueado (da mesma forma na hora de executar a fiscalização da obra e definir equipamentos e máquinas);
  • uma economia de escala: os gastos com marketing são rateados entre todos os franqueados, reduzindo a necessidade de investimentos mais elevados e permitindo otimizar a qualidade do trabalho publicitário. O franqueado também pode comprar com desconto na rede de compras e adquirir maquinário a preços mais acessíveis devido à quantidade;
  • a possibilidade de pesquisa e de desenvolvimento a baixos custos: os gastos com pesquisas e desenvolvimento de produtos novos e/ou com os aprimoramentos daqueles que já existem são responsabilidade do franqueador (a empresa matriz é quem testa os produtos nas unidades antes de lançá-los);
  • mais independência jurídica e financeira: apesar de o franqueado ter que se submeter às condições definidas pelo franqueador, ele terá sua própria razão social, configurando assim uma pessoa jurídica distinta (nesse caso, as operações financeiras dessa empresa serão de responsabilidade única e exclusiva dela).

 

perfil-empreendedor
Faça já o teste e descubra se você tem Perfil Empreendedor

 

5. Como abrir uma franquia?

Veremos agora como abrir uma franquia com segurança e com tudo legalizado. Primeiramente, é importante fazer o cadastro, preenchendo uma ficha específica (geralmente, é possível fazer isso pela internet).

Por meio dessa ficha, o franqueador poderá analisar o perfil do franqueado. Quanto mais perguntas forem respondidas e quanto mais questões forem esclarecidas é melhor para ambas as partes (o franqueado não corre o risco, por exemplo, de entrar em um negócio ao qual não se ajusta).

Caso a empresa franqueadora aprove a ficha, ela convocará o candidato para uma reunião. Nesse encontro, o candidato receberá a COF (circular de oferta de franquia), que registra todas as informações relevantes sobre a franquia, contendo ainda a minuta do contrato.

A COF contém:

  • os valores que deverão ser pagos, como a taxa de franquia, os royalties e os custos com propaganda;
  • o tipo de suporte ofertado e como é o treinamento;
  • a existência ou não de pendências judiciais;
  • se o franqueado tem a obrigação de comprar apenas dos fornecedores indicados pela rede;
  • os nomes, os endereços e os telefones dos franqueados e ex-franqueados do último ano;

Nesse encontro, é importante que o franqueado pergunte ao franqueador:

  • se ele dispõe de um manual para tirar dúvidas;o período de duração do treinamento e o assunto que é tratado nele;
  • se o negócio é afetado pela sazonalidade e o que deve ser feito nesses períodos de movimento escasso;
  • a quantidade de franquias que ele pretende vender ao longo do ano;
  • de que forma a empresa pretende crescer respeitando a sustentabilidade;
  • qual é a estrutura de fornecimento dos produtos e o suporte dado.

Como já é sabido, na circular de oferta de franquia estão registrados os contatos da rede. O candidato deve aproveitar para fazer uma visita a essas unidades e conhecer os franqueados. Comporte-se como se fosse um cliente e fique atento ao atendimento prestado e à opinião dos consumidores.

A legislação oferece um prazo mínimo de 10 dias para que o candidato considere a circular de oferta de franquia. Antes de terminar esse prazo, o candidato não deve pagar nada ao franqueador.

O candidato deve conversar com os outros franqueados (no mínimo, três deles) para ter informações mais precisas das operações de rotina e do relacionamento que o franqueador mantém com eles. Nesse sentido, ele pode perguntar qual o valor efetivo do capital de giro necessário, se o suporte dado pelo franqueador é satisfatório, se os fornecedores são bons e entregam no prazo, qual é o faturamento do ponto e outros detalhes importantes.

É fundamental ler cuidadosamente a minuta do contrato a fim de saber se a relação com o franqueador será realmente positiva. Na maior parte das vezes, as cláusulas seguem um padrão e não existe muita margem para alterações.

Mesmo assim, talvez seja possível combinar alguns aspectos do contrato, como um desconto sobre a taxa inicial ou sobre o valor dos royalties. Também poderá amenizar as multas por invasão territorial. A taxa de franquia é paga no momento em que o contrato ou pré-contrato é assinado.

Depois de assinar o documento de adesão, o franqueado recebe um cronograma explicando o que precisará ser feito. Nesse cronograma, estarão registrados, por exemplo, os prazos para abrir a empresa, reformar o ponto se for necessário, contratar os funcionários e implantar o sistema. Esse processo consome aproximadamente entre 90 a 120 dias.

O franqueado precisa ficar ciente de qual será sua responsabilidade com a marca, como será realizado o fornecimento dos produtos, de que modo pode ser feita a rescisão de contrato e outros aspectos relevantes.

A escolha do ponto comercial também é outro aspecto de fundamental importância para abrir uma franquia. Provavelmente, será necessário realizar algumas adaptações no imóvel para que ele corresponda aos objetivos do negócio. O ponto pode ser tanto próprio como alugado. Caso o franqueado já disponha de um imóvel para estabelecer sua unidade franqueada, melhor ainda, pois significa que ele terá menos custos.

O ponto precisa estar localizado, preferencialmente, em uma região com boa movimentação de pessoas e veículos. Em alguns casos, o franqueador ajuda o franqueado a escolher o melhor ponto. Vale ressaltar que é necessário informar-se na prefeitura se a região escolhida permite a abertura de ponto comercial (caso contrário, não será possível conseguir o alvará de funcionamento).

Se o imóvel for alugado, é recomendado fazer um contrato de locação de, no mínimo, 5 anos, considerando que a maior parte dos contratos de franquia se estende por esse prazo.

Antes da inauguração, o franqueado e sua equipe de funcionários terão que passar pelo treinamento, de modo que seja possível conduzir o negócio de acordo com as regras e o manual de operações do franqueador.

Por fim, o dia da inauguração é especial. A partir dela, o franqueado deve engajar-se ao máximo com seu negócio a fim de que ele ofereça boa rentabilidade e mantenha-se muito tempo no mercado. E lembre-se de procurar orientações e suporte do franqueador sempre que for necessário.

6. Tipos de franquia

Além de saber o que são franquias, é importante conhecer os diferentes tipos que existem.

A franquia individual

O primeiro tipo é a franquia individual, em que não há a possibilidade de divisão de espaço com outras franquias. Nesse caso, o franqueado é exclusivo de uma determinada marca franqueadora. O ponto para estabelecer o negócio é definido a partir de critérios que consideram o potencial do ponto para recebê-lo.

A franquia unitária

A franquia unitária é outro tipo de franquia e caracteriza-se por ser situada em um lugar preestabelecido. Nela, franqueado goza de livre poder de atuação exclusiva. Inclusive, é possível desenvolver outras franquias unitárias, desde que existam recursos financeiros e desempenho suficiente que justifiquem e permitam essa ação.

A franquia shop in shop

A franquia shop in shop é aquela na qual um estabelecimento comercial pretende dividir espaço com uma franquia de segmento diferente. Nesse caso, o franqueado não precisa encontrar um ponto, pois ele já existe. A finalidade desse tipo de franquia é permitir a alavancagem de um negócio que já existe, possibilitando ao empreendedor gozar de outra fonte de renda.

A franquia master

A franquia master representa a possibilidade de terceirizar ou implementar outros pontos de franquia em uma determinada zona. Nesse caso, o franqueado tem direito a um percentual dos royalties e da taxa de franquia. O franqueador recebe pela operação da franquia e pelas comissões de todas as outras da região.

A franquia mista

A franquia mista é o tipo que comercializa tanto produtos como serviços. O franqueador é um fornecedor enquanto o franqueado distribui os produtos e os serviços.

A franquia de distribuição

Na franquia de distribuição, os royalties não são cobrados, nem é cobrada a taxa inicial da franquia. Assim, o franqueado remunera o franqueador vendendo seus produtos/serviços.

7. Veja algumas opções de franquias

Agora, vamos listar algumas opções de franquias. Esta seleção foi adotada pelo Portal do Franchising, considerando as seguintes categorias em ordem alfabética:

  • acessórios pessoais e calçados;
  • alimentação;
  • bares, restaurantes e pizzarias;
  • bebidas, cafés, doces e salgados;
  • beleza, saúde e produtos naturais;
  • comunicação, informática e eletrônicos;
  • construção e imobiliárias;
  • cosméticos e perfumaria;
  • educação e treinamento;
  • escolas de idiomas;
  • fotografia, gráficas e sinalização;
  • hotelaria e turismo;
  • limpeza e conservação;
  • livrarias e papelarias;
  • móveis, decoração e presentes;
  • negócios, serviços e conveniência;
  • serviços automotivos;
  • vestuário.

Apesar de não constar nesta lista, existem franquias de óticas e joalherias, bem como de farmácias.

Depois de compreender o que são franquias, as suas vantagens e as suas limitações, cabe a você decidir se prefere optar por esse sistema ou prefere abrir um negócio próprio. Cabe também a você decidir que tipo de franquia acha mais vantajoso e em que segmento prefere atuar.

As franquias são boas alternativas para o empreendedor que está começando e tem pouco capital de giro disponível, bem como para aquele que deseja mudar de carreira. Mas é fundamental estudar bem antes de escolher qual opção será melhor. Pesquise franqueadores diversos, fale com franqueados, analise seu próprio perfil e só então decida!

O que achou do post? Sente-se mais esclarecido sobre o assunto? Deseja adquirir uma franquia? Qual o ramo que mais atrai seu interesse? Deixe sua opinião ou dúvida no espaço abaixo!

 

Confira 8 opções para abrir um negócio próprio

Para muitas pessoas, trabalhar com carteira assinada não é o suficiente. Algumas precisam ter mais autonomia, seja para controlar o próprio horário ou melhorar o faturamento. Felizmente, existem várias opções para abrir um negócio próprio, desde que você saiba onde está entrando.

Claro, não é uma tarefa muito fácil. Você precisa conhecer o setor onde quer trabalhar, estudar o mercado, encontrar o lugar mais adequado para abrir o negócio, talvez fazer alguns cursos para se especializar e comprar um equipamento específico. Exige esforço, isso é fato. Mas se você fizer tudo corretamente, o resultado pode compensar seu trabalho facilmente.

Sabemos que você terá que passar por alguns desafios antes de conseguir retorno financeiro. Para te ajudar com a sua escolha, trouxemos aqui uma lista de negócios bem promissores nos quais você pode investir. Confira:

1. Alimentação diferenciada

Comer é necessário. Ninguém vai deixar de comprar comida, independentemente do corte no orçamento familiar. Por isso, entre todas as opões para abrir um negócio, esta é uma das mais seguras. Porém, nem todo mundo pode comer todo tipo de comida. Alguns têm intolerância a glúten, ou são alérgicos a iodo, entre outras restrições.

Para estas pessoas, é muito difícil conseguir comer em restaurantes sem ter nenhuma complicação. Isso significa que elas são, geralmente, um nicho de mercado bastante inexplorado. Ao criar um restaurante, serviço de entregas ou similar, oferecer opções para esse tipo de pessoa pode ser um ótimo negócio.

2. Beleza masculina

Já notou como vários homens estão cada vez mais vaidosos? Aumentou a preocupação com o estado da barba, o uso de perfumes e de penteados especiais, entre outras coisas para elaborar mais a aparência, e muitos negócios já estão aproveitando essa nova e crescente demanda. Há cada vez mais barbearias se especializando neste público, que promete apenas crescer. Estima-se que este mercado movimentou mais de R$19 bilhões em 2016.

Nesse tipo de negócio, o diferencial não está apenas na beleza, mas em toda a experiência. Pense nisso como uma evolução dos velhos grupos masculinos, como bares. Agora, as barbearias são ponto de encontro para assistir a campeonatos esportivos, jogar videogames, beber e se divertir de forma geral. E, claro, caprichar na barba.

3. Cursos de idiomas

Outra das opções para abrir um negócio próprio que parece nunca sair de moda é o aprendizado de línguas estrangeiras. Afinal, profissionais multilíngues são altamente valorizados no mercado. Se você tem domínio e formação adequados para ensinar esses idiomas, nada mais justo do que ganhar algo em troca.

Certas línguas, como inglês e espanhol, são altamente valorizadas no mercado. Mas outras opções, como alemão, mandarim e francês também possuem bastante busca. E não pense que não haverá tanta demanda para as línguas “secundárias”: muitas pessoas aprendem idiomas apenas por diversão, sem intenções profissionais.

 

 

4. Franquias

Com todos os riscos envolvidos em abrir o próprio negócio, é compreensível que muitos profissionais fiquem intimidados e optem pela maior segurança de um emprego estável. Porém, existe um bom meio termo: o modelo de franquia. Basicamente, você investe em uma grande empresa e ganha o direito de usar seus métodos e propriedade intelectual abrindo uma filial. E algumas opções podem sair por pouco mais de mil reais em investimento inicial.

Em troca, você pagará uma porcentagem do seu lucro, recebendo o equipamento e as instruções necessários para trabalhar. O resultado é que você consegue aproveitar todas as vantagens de uma marca já consolidada sem ter que passar pelas mesmas dificuldades de um novo empreendedor. Mesmo com o pagamento dos royalties, seu rendimento ainda será bem maior do que o de um novo negócio.

5. Lojas virtuais

De todas as opções para abrir um negócio próprio, o e-commerce parece um dos mais recorrentes. A maioria dos produtos comercializados hoje em dia pode ser entregue pelos correios, o que te permite vender para pessoas em qualquer lugar. E, com o alcance da internet, é possível encontrar qualquer pessoa interessada no seu produto.

Com uma loja virtual, você precisa se preocupar bem menos com estoques e pontos de vendas, já que tudo se resolve por meio do computador. Dependendo do produto, você pode fazer pedidos exclusivamente sob demanda, sem jamais ter que liberar espaço para acumular itens para sua loja.

6. Pet shops

Animais de estimação sempre são amados pelos seus donos. E muitos desses humanos estão dispostos a investir bastante no bem estar e na aparência de suas mascotes. Isso pode ir desde um banho especial por mês até uma roupa completamente decorada para um desfile. E, acredite, há muita demanda para isso, pois este setor já fatura mais de R$18 bilhões por ano.

Se você abrir um estabelecimento assim no lugar certo, vai receber dúzias de clientes trazendo seus bichinhos. E se você vender alguns produtos complementares, como pentes especiais, coleiras antipulgas, rações mais saudáveis e petiscos, pode conseguir uma clientela fiel com mais facilidade.

7. Produtos personalizados

Muitos consumidores querem mais do que opções. Eles querem colocar um pedaço de si em cada coisa que compram. Esse é o caso de quem busca roupas, acessórios, eletrônicos, decoração, entre outras peças que podem ser personalizadas para se adequarem às suas demandas. Se você tem alguma habilidade para isso, essa pode ser uma das melhores opções para abrir um negócio próprio.

Algo vantajoso nesse trabalho mais artesanal é que, dependendo do produto, haverá sempre alguma demanda. Camisas com estampas únicas ou roupas feitas para eventos específicos nunca ficam sem procura. Basta focar no nicho certo e sempre haverá um número razoável de clientes.

8. Saúde e bem-estar

Viver com saúde é uma das metas de muitas pessoas. Por isso tantas se exercitam, fazem dietas balanceadas e tentam encontrar outras atividades que melhorem o corpo. Se você tem alguma formação em áreas como fisioterapia, educação física ou nutrição, certamente pode começar um negócio para atender a esse público.

Você não precisa de necessariamente ser um atleta para ensinar alguém a fazer exercícios aeróbicos. Meditação, yoga, entre outras atividades similares, podem melhorar muito o desempenho físico, evitar o cansaço prolongado e melhorar o humor de forma geral. Se você se sente melhor quando pratica essas atividades, pode acreditar que outras pessoas também estarão interessadas.

Agora que você conhece algumas opções para abrir um negócio próprio, que tal ir mais afundo no assunto? Entre em contato com JUMPER! Franchising e tire suas dúvidas sobre o nosso sistema de franquia! Você pode se tornar um de nossos franqueados em nossos cursos e aumentar ainda mais sua renda.