transformamos a vida de milhares de jovens através da educação.

Everton Sabú
Fundador

Junte-se a Nós nesta missão!

Como conseguir um financiamento para empreender? Saiba mais!

Segundo uma pesquisa coordenada pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN), 76% dos jovens brasileiros (entre 25 e 35 anos) sonham em empreender.

Esse pequeno recorte da realidade nacional mostra a motivação para a realização pessoal, a busca pela qualidade de vida e a maior liberdade que ter o próprio negócio traz. No entanto, a barreira financeira impede a realização desse sonho e, por isso, muitos recorrem ao financiamento para empreender.

Identificou-se com essa realidade? Então, o artigo de hoje é para você! A seguir, listaremos algumas das principais opções de financiamento disponíveis para quem pensa em empreender. Confira!

Empréstimos bancários

Geralmente, essa é a primeira opção levada em consideração por aqueles que almejam ter o próprio negócio e precisam financiá-lo. Algumas instituições, como a Caixa e o Banco do Brasil, têm linhas de crédito específicas para novos empreendimentos, por exemplo.

Apesar de se tratar de uma opção mais fácil de ser encontrada, as taxas de juros cobradas podem não ser as melhores — principalmente para quem está começando um empreendimento do zero.

Isso porque elas costumam ser altas. E levando em consideração que, no início, o negócio apresenta uma lucratividade que serve, basicamente, para cobrir seus gastos de instalação e manutenção, o novo empresário pode contrair dívidas.

Capital próprio ou familiar

O capital próprio também é uma alternativa muito utilizada pelas pessoas que estão começando a empreender. Ele pode ser obtido com a venda de bens em propriedade do empresário e, como não há custos ligados ao financiamento, o montante obtido é gerido conforme a vontade do indivíduo.

No entanto, a desvantagem de utilizá-lo é que a pessoa fica restrita quanto à expansão do negócio. Isso porque só será possível reinvestir com o lucro obtido após a abertura do empreendimento.

Nesse caso, existe uma alternativa — o empréstimo familiar. Seus benefícios são: facilidade de consegui-lo (em comparação com as outras opções) e juros bem menores, sendo um atrativo para quem está começando.

No entanto, é importante ficar atento, pois muitos investidores do tipo vão querer ter responsabilidades de gestão. Outra questão diz respeito aos atrasos, que podem trazer indisposição entre os membros e, até mesmo, cobranças por resultados no negócio — o que vai pressioná-lo a ter sucesso rápido.

Investidor-anjo

O negócio que você pretende abrir tem alto potencial de crescimento? Então, uma opção de financiamento para empreender é recorrer aos investidores-anjo. Trata-se de pessoas físicas que procuram por negócios com alto potencial para apostar.

Tradicionalmente, eles investem em empresas que estão começando e têm planos de negócio bem estruturados. Essa é uma boa opção para quem está começando um empreendimento inovador, mas é preciso ter atenção às desvantagens também.

Entre elas, destacamos a porcentagem de participação cobrada, que pode variar de 10% a 50%, dependendo de cada caso, limitando os lucros futuros. O investidor-anjo também terá certo controle gerencial, o que pode gerar problemas (como o empreendedor ter de abrir mão do gerenciamento para atender aos requisitos preestabelecidos pelo financiador).

Crowdfunding 

Outra forma de financiamento para empreender é o crowdfunding — ou financiamento coletivo, como também é conhecido no mercado. Trata-se de contar com a participação de um grupo de pessoas (pode ser pequeno ou grande) que investe seus recursos financeiros no novo empreendimento.

Para tanto, o novo empreendedor em questão apresenta a ideia ao público por meio de um site de financiamento coletivo, estabelecendo o quanto precisa obter para custear a ideia e estipulando um prazo para a arrecadação. No Brasil, esse modelo de investimento tem ganhado cada vez mais adeptos ano após ano.

O interessante é que o modelo apresenta vantagens como a redução de riscos do investimento e, também, uma maior visibilidade para o negócio. Outro benefício é o feedback dos financiadores, que podem sugerir melhorias e aperfeiçoamentos para a empresa.

No entanto, existem também as desvantagens, como os projetos que precisam de grandes quantias. Além disso, as verbas servem apenas para o início do empreendimento, não sendo sustentadas em médio ou longo prazo. Há, ainda, a possibilidade de ter o negócio copiado por outra pessoa, visto que será preciso apresentar a ideia para obter o dinheiro.

Linhas de financiamento para empreender com condições especiais para franquias

Existem opções específicas de financiamento para empreender em franquias. Os próprios bancos têm parcerias para fomentar esse tipo de negócio com algumas franqueadoras, mas ainda há a possibilidade das financeiras.

Algumas delas, por exemplo, permitem pagamentos em 42 meses e obtenção de capital de giro para o início do negócio. A vantagem é que tais instituições oferecem até mesmo juros abaixo de 2% ao mês, para que o franqueado possa começar seu negócio com maior tranquilidade.

Existem, ainda, aquelas linhas de crédito específicas para a aquisição de mercadorias diretamente do franqueador, bem como as com antecipação de recebíveis. As vantagens de se apostar nesse tipo específico de financiamento para empreender é que o empresário pode suprir diretamente suas necessidades específicas.

A única desvantagem é que será preciso pesquisar para ver qual instituição oferecerá mais vantagens, o que pode levar algum tempo, principalmente se elas exigirem planos de negócios com pontos específicos.

Bônus: como fazer a escolha mais acertada

Antes de optar pelo tipo de financiamento para empreender, o novo empresário precisa levar em consideração alguns fatores — e o primeiro deles é estudar suas necessidades financeiras. Para tanto, ele deve considerar de quanto o negócio precisará para começar suas atividades e manter-se por algum tempo.

Além disso, é fundamental mapear as possibilidades de financiamento para empreender, levando sempre em consideração as vantagens e desvantagens de cada uma delas. Só assim será possível escolher a opção que mais se encaixa à sua realidade.

Por último, organizar as finanças sabendo dos juros, do capital de giro necessário, dos pagamentos e de outros detalhes importantes do negócio é essencial para não ter que fechar o empreendimento.

Falando em organização, ela é essencial não só para as finanças, mas também para todos os processos que envolvem a construção de um negócio. Quer saber como se organizar para ser um empresário de sucesso? Leia nosso artigo sobre o assunto! Até a próxima!

Como calcular o ROI de uma franquia? Descubra!

Mesmo sendo um modelo de negócio interessante e uma boa forma de investimento, as franquias ainda geram muitas dúvidas em investidores e empresários. Entre elas, temos uma que tira até mesmo o sono de quem sonha em investir nesse sistema: o cálculo de retorno do investimento.

Conhecido como ROI, esse tipo de medida é um bom fator para saber se a franquia vale ou não a pena. Para te ajudar a entender melhor, separamos o que você precisa saber para calcular o ROI de uma franquia. Confira!

O que é ROI?

ROI é a sigla para Return over Investiment ou em bom português, retorno sobre investimento. Esse indicador aponta quanto em recursos financeiros a empresa está ganhando ou perdendo nos investimentos realizados.

A partir desse cálculo, é possível mensurar mais do que a viabilidade do investimento, mas também como aprimorar aqueles que já estão trazendo bons resultados.

​No caso de franquias, ele é calculado a partir dos custos de uma operação dividida pelo lucro líquido mensal. Quando não se sabe o valor do ganho líquido, pode-se usar uma projeção.

Existe uma estimativa para ROI?

Sim, ela gira em torno de 1 ano e meio a 3 anos. Mas esse prazo depende do valor da franquia: quanto mais cara for, maior será o tempo para que o investimento seja recuperado.

É importante ressaltar que esses valores são somente uma estimativa, já que existem diversos aspectos que podem determinar o prazo, como por exemplo o tipo de empresa, a localização, etc.

Quais são as variáveis para calcular o ROI?

Existem algumas variáveis determinantes para o cálculo do ROI. Para auxiliá-lo, listamos abaixo as principais. Entenda:

  • tarifa de compra da franquia;
  • reformas e adaptações do ponto de venda;
  • móveis;
  • maquinários;
  • capital de giro;
  • valores do estoque inicial;
  • salários dos funcionários;
  • documentações e permissões para oficializar a operação;
  • tributos;
  • ações de publicidade e marketing;
  • viagens.

É importante esclarecer que vender muito não é sinônimo de um retorno melhor ou mais ágil. É preciso, ainda, analisar o lucro líquido — tanto o obtido quanto o calculado —, os custos e as vendas.

Como o ROI não é sinônimo de dinheiro em caixa, a empresa pode até ter um cofre positivo, contudo, isso não significa que é o valor do retorno do investimento inicial.

 

 

Como calcular o tempo de retorno de investimento?

Bem, para efetuar o cálculo, primeiramente, você soma todo o investimento inicial, e subtrai desse montante o que a empresa lucrou. Para elucidar melhor, separamos o que é cada componente. Confira!

Investimento Inicial

Aqui estão todos os gastos do empreendimento antes de iniciar suas vendas. Geralmente estão incluídos a taxa de franquia (valor para ter o direito de usar o nome e modelo de negócio da empresa), capital de giro (quantia separada para emergências), alugueis, aquisição do ponto comercial, reforma, estoque inicial e equipamentos.

Receita

Todo o dinheiro que entra no negócio fica nesse tópico. Como antes de funcionar o empreendedor não sabe qual será esse valor, ele pode fazer uma projeção usando os números que já tem do estabelecimento.

Despesa

Neste ponto, estão todos os valores que são gastos em certo período de tempo. Geralmente, se coloca esse número na planilha a cada mês. Já que a maioria dos custos tem um valor mensal, nesse tópico, ficam os custos com luz, aluguel, funcionários, materiais, impostos, fornecedores e royalties.

Lucro

O resultado da receita menos as despesas é o lucro. Para calcular o retorno, é necessário colocar o investimento inicial também. Veja um exemplo:

  • Investimento = R$200.000
  • Prognóstico mensal de receitas = R$ 30.000
  • Prognóstico mensal de despesas = R$ 20.000
  • Ganho médio mensal = R$ 10.000

Para saber o tempo médio de retorno do investimento é preciso dividir o investimento pelo lucro médio. No caso acima (200/10 = 20), o prazo ROI ficaria em torno de 1 ano e 8 meses.

É possível reduzir o prazo de retorno do investimento?

Sim, há certos fatores que ajudam a acelerar o tempo de retorno. Separamos alguns que podem ajudar a melhorar o retorno de investimento:

Localização

Essa é uma questão bastante relevante para o sucesso da empresa. Por essa razão, é importante que sejam feitos estudos para determinar o melhor endereço para a franquia e que seja de fácil acesso aos clientes.

Porém, apesar de ser um item a se considerar, é preciso explicar que, geralmente, o ponto comercial fica fora do investimento inicial. Como o seu valor tende a ser alto, as franquias costumam não considerar esse elemento, já que para elas, ele é um desembolso e não um investimento. Além disso, é comum que o ponto perca a valorização com o tempo, o que dificulta a padronização.

Atendimento

Para que a empresa entregue um excelente serviço e seja bem-vista pelos clientes, o atendimento é fundamental. Ele deve estar em harmonia com a cultura do negócio e, assim, oferecer aos clientes um trabalho impecável.

Planejamento

Mesmo que o dono da franquia dê várias informações importantes sobre a empresa, ainda assim ela será responsabilidade do franqueado. E, nesse contexto, o planejamento daquele ponto é sua obrigação.

Portanto, é importante tomar algumas condutas para não prejudicar o investimento e garantir um ROI mais rápido, como, por exemplo, criar um plano de negócios que não fuja da cultura da empresa.

Quais são os benefícios de se investir em uma franquia?

A franquia é uma ótima chance para o empreendedor aprender. Afinal, ela oferece suporte e treinamento, assim como traz a oportunidade de melhorar suas noções de marketing. Outro ponto importante é que, com as franquias, não há necessidade de correr atrás de clientes, uma vez que ela já possui fregueses estabelecidos.

Salientamos que, antes de fechar o negócio com uma, verifique o número do ROI, pois ele pode auxiliar a entender se o empreendimento terá um bom rendimento.

Esperamos que esse post tenha mostrado o quanto calcular o ROI é importante para a sua franquia. Gostou desse conteúdo? Quer saber mais sobre o mundo dos negócios? Então, dê uma olhada em nosso artigo sobre 3 alternativas para aplicar o seu Fundo de Garantia do Tempo de Serviço!