transformamos a vida de milhares de jovens através da educação.

Everton Sabú
Fundador

Junte-se a Nós nesta missão!

Jumper inaugura nova unidade em Tocantins

Rede de ensino profissionalizante inaugura nova unidade na região Norte

Com mais de 150 escolas em todo Brasil, a Jumper presenteia a cidade de Porto Nacional com uma nova unidade. A rede que já está no ramo educacional há 15 anos, oferece metodologia de ensino própria e pioneira, que permite ao aluno aprendizado de alto nível, em curto espaço de tempo, preparando-o para o mercado de trabalho.

A Unidade Porto Nacional é a primeira escola da rede na região. Ao longo de sua trajetória, a Jumper já formou mais de meio milhão de alunos, e é conhecida pela diversidade de cursos oferecidos. São mais de 500, em sete diferentes áreas de conhecimento: saúde, tecnologia, indústria, administração e negócios, preparatório, idiomas e beleza.

A nova unidade investe no curso que é um dos mais procurados em todo Brasil, o Formatec, onde o aluno aprende três cursos em um (administração, inglês e informática), saindo preparado para o mercado profissional.

Cidade conhecida como berço da cultura, Porto Nacional está a 52 km da capital Palmas. Tombada pelo patrimônio histórico cultural nacional, reflete o antigo e o moderno, abrigando ruas estreitas e casarões coloniais, que dividem espaço com prédios arrojados de arquitetura contemporânea.  Atualmente, conforme aponta o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a valorização de seu patrimônio e o turismo estão entre as alternativas de desenvolvimento da cidade.  Uma escola de cursos profissionalizantes e idiomas chega à cidade atendendo aos anseios da população local.

“Queremos oferecer para os alunos além dos cursos profissionalizantes presenciais, uma diversidade de cursos também à distância. Essa modalidade possibilita que o aluno tenha maior flexibilidade de horários e consiga adequar os estudos a sua rotina”, afirma Everton Sabú, presidente da rede de escolas.

 

Serviço:

Inauguração Unidade Porto Nacional

Dia 04 de Julho de 2018

Local: Av. Joaquim Aires 2188 – Centro – Porto Nacional – Tocantins

 

Sobre a JUMPER! Franchising

A JUMPER! Franchising é uma empresa brasileira atuante no ramo de franquias do setor educacional. Direcionada à área de cursos profissionalizantes e idiomas, a principal motivação da instituição é prover condições para o desenvolvimento humano.

Com 15 anos de história, a JUMPER! Franchising, conta hoje com mais de 150 franquias em todo território nacional, ultrapassando a base de meio milhão de alunos formados.

Localizada estrategicamente no coração da cidade de Curitiba/PR a central franqueadora implantou, juntamente a sede administrativa, uma escola piloto que serve de ambiente para treinamento de franqueados e colaboradores, proporcionando assim um aprimoramento constante de toda expertise técnica e prática necessária para o sucesso de suas franquias.

 

Abra o seu próprio negócio

7 passos essenciais para uma boa gestão de equipe na sua franquia

O franchising é um modelo de negócios que tem tudo para dar certo. Mas o sucesso chega mais rápido com uma boa gestão de equipes.

Por mais que o negócio seja de pequeno porte, os colaboradores devem ser direcionados para seguirem as boas práticas da marca e trabalharem em prol do mesmo objetivo que o seu — pois é assim que as informações são transformadas em conhecimento e trazem bons resultados.

Pensando nisso, fizemos este post que apresenta 7 passos essenciais para gerenciar bem a sua equipe de colaboradores. Então, que tal conhecer as dicas? Acompanhe!

1. Ofereça e receba feedbacks constantes

As críticas e os elogios construtivos contribuem para a melhoria contínua dos resultados, porque é dessa forma que os colaboradores reconhecem seus pontos positivos e negativos. Com a ciência do que devem melhorar, eles podem aprimorar os talentos e garantir que a meta traçada seja atingida.

Você pode oferecer os feedbacks de maneira individual, quando forem direcionados e tratarem de problemas mais expressivos que precisam ser trabalhados. Porém, também é indicado fazer reuniões periódicas com a equipe, mesmo que rápidas.

Lembre-se sempre de repassar os elogios — afinal, eles amenizam as falhas e mantêm as pessoas motivadas para trabalhar.

2. Aprenda a delegar tarefas

Querer fazer tudo sozinho é uma estratégia que não dá certo. É preciso repassar responsabilidades aos colaboradores, já que essa também é uma forma de incentivá-los. Porém, é necessário alcançar um equilíbrio no nível de acompanhamento, certo?

Se exercer muito controle, provavelmente haverá problemas de autonomia e responsabilidade por parte dos colaboradores, sem contar que você ficará muito sobrecarregado. Por outro lado, afastar-se demais pode deixar a equipe perdida e sem direcionamento.

O ideal é encarar seu trabalho como o de facilitador. Afinal, uma estrutura engessada é algo que desmotiva e impacta negativamente a produtividade. A autonomia, por sua vez, aumenta a relação de confiança e melhora o ambiente de trabalho.

3. Assuma responsabilidades

Esse é o complemento do tópico anterior, porque a delegação de tarefas só aumenta seus deveres. Além do mais, é um critério fundamental para a liderança, já que você terá que tomar muitas decisões importantes e assumir a situação quando algo der errado, por exemplo, na venda de um produto para um cliente.

Tenha em mente que essa é uma via de mão dupla, porque os resultados derivados dos colaboradores só surgirão se você oferecer os subsídios necessários.

4. Lidere pelo exemplo

O empreendedor precisa ser o exemplo para a equipe. Para isso, é importante estar entusiasmado com os produtos ou serviços oferecidos e ter paixão pelo que faz. Por exemplo: se você abre uma franquia de idiomas ou cursos profissionalizantes, precisa ter amor pela educação para mostrar à equipe como essa prática é relevante para o futuro dos alunos.

Além disso, é essencial tratar todos com cordialidade e educação, mesmo em situações complicadas. Para tanto, mantenha o bom humor e concentre-se sempre no que é necessário para mostrar sua competência.

5. Estabeleça metas claras e objetivas

As metas e os objetivos que forem traçados devem ser bem delimitados. Mesmo que desafiadores, é importante que sejam realistas para evitar a desmotivação da equipe. Depois de elaborados, também devem ser compartilhados com todos para que o foco seja mantido.

Você também pode contar com a contribuição da equipe ao analisar a atuação de cada indivíduo e questionar o que a pessoa tem feito para atingir as metas. Dependendo da resposta e dos resultados, você vai saber se está na hora de rever os procedimentos.

Outra recomendação é revisar as metas mensal ou trimestralmente. Lembre-se de que as de curto prazo devem ser focadas nos objetivos do negócio, por exemplo, vender R$ 20 mil em 1 mês. Porém, você pode delinear outras de médio e longo prazos, com propósitos diferentes, como fazer investimentos ou expandir as operações.

Para garantir que todos estejam engajados nesse processo, mantenha as competências individuais alinhadas às do negócio. A partir do momento que o colaborador compreende como seu trabalho é importante para a empresa, ele tende a oferecer o máximo de si.

6. Conheça as individualidades de cada liderado

Cada colaborador tem suas próprias competências e esses talentos precisam ser valorizados para que os melhores resultados sejam atingidos. Tenha em mente que, assim, realizará uma gestão de equipes realmente eficaz, no qual o potencial máximo pode ser aproveitado.

A partir desse conhecimento, também fica mais fácil delegar as tarefas e evitar a ineficácia na execução delas. Nesse aspecto, perceba que a gestão que valoriza as individualidades permite ter um relacionamento mais próximo com os colaboradores — medida que impacta a qualidade de vida no trabalho.

Essa também é uma maneira de formar uma equipe de alta performance. Por mais que algum colaborador tenha uma lacuna de conhecimento técnico ou comportamental, essa questão pode ser trabalhada e corrigida a partir de feedbacks e alocação do recurso humano na função mais adequada às suas competências.

O único cuidado necessário é quando o profissional vai contra os valores e a ética de trabalho. Nesse caso, o ideal é procurar outra pessoa, que agregará mais para a equipe.

7. Desenvolva a cultura organizacional

O ambiente corporativo é recheado de valores que permeiam o trabalho de todos e a relação entre os colaboradores. Eles formam a cultura organizacional, que orienta o trabalho e indica o que a equipe deve fazer.

Responsabilidade, transparência e busca pela melhoria contínua, por exemplo, podem ser alguns dos itens que compõem a cultura. Devido aos aspectos positivos, essa é uma forma de os profissionais saberem o que é esperado deles. Assim, você pode incentivar o trabalho ético e em equipe em vez da competitividade.

A cultura organizacional também pode ser encarada como um fator estratégico. Afinal, os valores compartilhados tanto contribuem e influenciam no sucesso como agregam valor para clientes e colaboradores.

Em outras palavras, a gestão de equipes é uma prática essencial para o crescimento sustentável da sua franquia. Esse aspecto interfere nos resultados obtidos, inclusive financeiros, porque é dessa forma que todos atuam conjuntamente e com vistas a um objetivo comum.

Agora que você viu esses passos essenciais, que tal conferir outras dicas relevantes para a sua franquia? É só seguir a gente nas redes sociais! Curta nossos perfis no Facebook, LinkedIn, Instagram, Twitter e Google+.

 

Quais são as diferenças entre marketing multinível e franquias?

Você sabe exatamente o que caracteriza o marketing multinível (MMN)? Muitas pessoas confundem esse conceito e acreditam que ele tenha alguma coisa a ver com o sistema de franquias. Apesar de serem diferentes, a verdade é que essa prática pode ajudar a sua unidade franqueada.

Afinal, a ideia desse tipo de marketing é fazer uma venda direta e, assim, divulgar produtos e serviços. O resultado é a expansão do seu negócio a partir de duas abordagens diferentes, mas que podem ser complementares.

Para entender melhor como funciona essa relação, neste post abordaremos quais são as diferenças entre o MMN e as franquias e como a primeira técnica podem ajudar na divulgação do seu estabelecimento. Quer saber mais? Acompanhe!

O marketing multinível

Esse sistema de negociação está embasado na venda direta e na criação de uma rede. Nesse sentido, a venda direta consiste em oferecer produtos e serviços para os consumidores por meio da internet ou pessoalmente. Já a criação de uma rede prevê o convite a outras pessoas para se tornarem distribuidoras independentes para a empresa com a qual você está associado.

Por isso, o MMN é um modelo de venda direta mais complexo, na qual há mais oportunidades de ganhar — já que você pode receber também pelos distribuidores que indicar, além da margem de lucro dos itens comercializados. Devido a suas características, esse formato também é chamado de microfranquia, mas sempre está alicerçado em uma rede de pessoas.

É importante destacar que o MMN é bem diferente da chamada pirâmide financeira, que é um crime. No marketing, há a comercialização de produtos e serviços, além da indicação de pessoas que podem se tornar revendedoras e serem remuneradas pelo que venderem.

Por sua vez, a pirâmide prevê um modelo no qual diferentes pessoas são convidadas a fazer parte e há movimentação de dinheiro. Porém, inexiste qualquer venda de produtos ou serviços. Um exemplo é quando você investe determinada quantia e tem como prerrogativa encontrar outros integrantes.

Dentro desse escopo, o MMN é caracterizado pelos seguintes critérios:

  • ausência de relação laboral, sendo que você é seu próprio chefe e determina o quanto deseja trabalhar;
  • rendimentos ilimitados, porque tudo depende do seu trabalho e da quantidade comercializada;
  • desobrigação de fazer investimentos, já que inexiste infraestrutura e você também está isento de pagar um salário para quem convida a participar do negócio. No entanto, pode ser necessário adquirir o mínimo de produtos para estoque e demonstração;
  • sistema de trabalho igualitário, com benefícios para toda a estrutura de administração, faturamento, logística e reputação.

O franchising

No caso do franchising, a ideia é licenciar um modelo de operação para ser copiado por outros empreendedores. Esses abrem suas unidades e comercializam produtos e serviços autorizados pela marca com o mesmo know-how, tecnologia e qualidade.

Para a franqueadora, essa é a oportunidade de ampliar sua participação no mercado e aumentar a receita, sem precisar fazer investimentos significativos. Para o franqueado, é a oportunidade de se beneficiar de um negócio que foi testado e que é aprovado pelos consumidores.

O direito de uso da marca é garantido pelo pagamento de algumas taxas, como a de franquia, royalties e outras. Além disso, é preciso fazer um investimento inicial para ter a infraestrutura requisitada e assegurar a manutenção da identidade visual e outros valores da marca.

O empreendedor, nesse caso, tem seu próprio negócio, mas precisa cumprir o que está determinado em contrato. Qualquer ideia que o franqueado tenha pode ser oferecida para a marca, que poderá aprová-la.

Ele também tem maior chance de sucesso pelo fato de a marca já ser conhecida pelo público-alvo. É por isso que a taxa de mortalidade em franquias é pequeno, de apenas 3%, contra 23% de empreendimentos tradicionais — segundo dados divulgados pelo Portal do Franchising.

As diferenças entre o marketing multinível e as franquias

Os dois modelos são bastante diferentes. Apesar de ambos consistirem na comercialização de produtos ou serviços, o franchising é um negócio mais padronizado e com mais chances de sucesso. Ele requer uma estrutura física e administrativa, porque a marca oferece o suporte necessário.

O MMN também é uma expansão com rede de pessoas, enquanto a franquia é focada em unidades. O investimento do segundo é maior, porque trabalha diretamente no varejo e com pontos comerciais. No entanto, seu retorno sobre o investimento também. Além disso, o franchising é a melhor forma de você construir um patrimônio e realmente ganhar dinheiro e se tornar um empreendedor.

As técnicas de marketing multinível para divulgar as franquias

As diferenças existentes entre os dois modelos não isenta a complementaridade que existe entre eles. Diversas técnicas do MMN podem ser usadas para divulgar o franchising e fazer seu negócio alcançar o sucesso. Confira algumas delas, a seguir!

Crie uma lista de e-mails

Uma base de contatos é fundamental para divulgar o seu negócio. Por meio dela, é possível educar os clientes, promover os produtos, encontrar oportunidades de negócio, desenvolver um relacionamento de confiança e avisar sobre promoções e lançamentos.

As mensagens podem ser transmitidas por e-mail, telefone, redes sociais, WhatsApp e o canal que você achar interessante, desde que ele seja utilizado pelo público-alvo. Lembre-se, no entanto, de repassar informações úteis para que os usuários não se sintam sobrecarregados.

Adote uma estratégia apropriada

O processo de vendas sequencial deve funcionar e ser estratégico. Mais que atender o cliente no momento em que ele chega ao estabelecimento, é preciso convidá-lo a entrar, apresentar os produtos, oferecer uma amostra e contatá-lo posteriormente. Essa é a prerrogativa do MMN que pode ser empregado nas franquias.

Tenha em mente que, mais do que vender, o ideal é repassar informações relevantes e o potencial daquilo que você está comercializando. Por isso, vale a pena investir em perfis nas redes sociais e outros canais de contato. Além do mais, o pós-venda também é um diferencial que conta pontos a favor da sua unidade.

Converse com o cliente e induza-o à venda

O profissional do MMN é especialista em encaminhar o cliente ao próximo estágio de venda, até que decida pela compra. Nas franquias, essa técnica também pode ser usada com uma abordagem bastante simples: fazer perguntas cuja resposta seja “sim”.

A ideia é falar sobre o produto e os benefícios que oferece. Posteriormente, comece a fazer questionamentos diferentes, nos quais o retorno do cliente seja sempre “sim”. Desse modo, você o leva a fechar negócio sem nem perceber que está fazendo isso.

Compreenda os clientes

Essa estratégia também passa por fazer alguns questionamentos importantes. Por exemplo:

  • Quais produtos são aqueles que interessam mais?
  • Quais itens gostaria de encomendar?
  • Está pronto para começar?
  • Já escolheu o que vai comprar?

A partir dessas respostas, você consegue saber em que estágio seu cliente está e se pode ter uma abordagem um pouco mais incisiva para vender o produto ou serviço.

Assim, fica evidente que o marketing multinível é uma medida complementar às franquias. Por meio de suas táticas de venda direta, você pode aumentar suas vendas e, consequentemente, seu faturamento.

E você, já utiliza alguma dessas técnicas? Conheça outras dicas relevantes para sua franquia seguindo nossos perfis nas redes sociais. Estamos no FacebookLinkedInInstagramTwitter e Google+. Até a próxima!

Como garantir que o time da sua franquia adquira e transmita os valores da empresa?

Encontrar a sua essência para se diferenciar no mercado. Hoje, muito mais do que bons produtos e serviços, é preciso oferecer aos clientes uma experiência marcante, o que só é possível quando os colaboradores possuem crenças fortes, regidas por valores éticos e morais bem definidos. Sim, estamos falando da cultura da empresa, que ajuda na construção da personalidade da sua marca.

É por meio dela que a equipe da sua franquia consegue transmitir os valores da organização não só ao público interno, mas também ao externo. Confira, nos tópicos a seguir, como garantir a eficácia da implementação dessa estratégia!

O que é cultura da empresa?

Missão, visão e valores formam a cultura da empresa. Ela é um conjunto de hábitos e valores compartilhados e que ajudam na construção da essência da organização e a estabelecer regras a serem seguidas para que os objetivos corporativos sejam alcançados.

Todos os envolvidos em uma empresa, desde os estagiários até diretores, precisam realizar o seu trabalho de acordo com esse código cultural. Afinal, a ideia é promover o crescimento do negócio.

Resumidamente, podemos definir que a cultura é o DNA e dita as condutas dos profissionais atuantes, influenciando as equipes de trabalho para que elas fluam na mesma direção. E é justamente esse DNA que identificará o negócio em cada ação que ele tomar, tornando a definição desse código algo primordial para quem almeja se destacar no mercado.

Qual a importância da cultura organizacional?

A cultura organizacional é fundamental, pois ajuda na construção do posicionamento da empresa no mercado. Mas não é só isso. A partir do momento em que essa cultura se torna forte e é consolidada, é possível alinhar os colaboradores aos objetivos preestabelecidos, criando sentimento de pertencimento na equipe.

Consequentemente, a empresa conquista maior engajamento dos profissionais, eleva os níveis de produtividade e de inovação, além de manter os talentos. Isso é fundamental para crescer de maneira sustentável e para estabelecer altos níveis de qualidade no fornecimento de seus produtos e/ou serviços para os clientes.

Como defini-la?

Para definir a cultura organizacional da franquia, o primeiro passo é analisar como o trabalho é feito e compará-lo com que é realizado pela matriz. Esse trabalho é essencial, pois quando se tem uma unidade franqueada, alguns padrões já vêm preestabelecidos pela franqueadora e devem ser seguidos para manter a identidade da marca.

Depois, faça uma análise das características da empresa, desde a qualidade, os preços até a maneira como é feito o atendimento ao público. Após esse trabalho, realize uma pesquisa sobre as competências dos colaboradores que atuam no local, levando em consideração as habilidades, mas também o comportamento diante de situações distintas. Isso ajudará a entender o modo de pensar e de agir deles, avaliando se condizem com o que a franquia prega.

Ao analisar as características da empresa e confrontar as informações com o que os colaboradores fazem, você terá em mãos a cultura da franquia. Se ela não estiver alinhada à proposta que tem em mente, é preciso estabelecer um processo de definição dela.

Para isso, é importante ter a missão, a visão e os valores que nortearão os colaboradores e comunicá-los a eles, a fim de disseminar os hábitos e as práticas consideradas positivas para a manutenção da franquia.

Como transmitir os valores da cultura da empresa aos colaboradores?

Como mencionamos, é essencial disseminar a cultura da empresa aos profissionais que atuam nela. Vamos ensinar você a fazer isso.

Use a comunicação

Os comunicados sobre as mudanças na cultura devem ser justificáveis e repassados por meio de uma mensagem consistente aos colaboradores. Se possível, faça uma reunião com toda a equipe, sem formalidades, para expor melhor o assunto.

Além disso, utilize canais como redes sociais internas e até comunicados em murais. Esses materiais precisam ser atrativos para que os funcionários se sintam impelidos a lê-los e, assim, introduzir os hábitos no seu cotidiano.

Eduque pelo exemplo

Os profissionais devem receber coordenadas sobre como devem agir daqui para frente, levando em consideração o crescimento da franquia, bem como os seus valores éticos e morais.

Por isso, os gestores e líderes devem dar o exemplo. Ou seja, eles precisam agir de acordo com a cultura organizacional, a fim de alinhar a equipe para que ela siga pelo mesmo caminho. Educar as pessoas pela conduta ainda é a melhor maneira de transmitir a cultura.

Ofereça treinamento

Treinamentos, reuniões e até o coaching contribuem para o fortalecimento da cultura, tornando-a mais significativa. Aliás, esse processo de desenvolver a equipe é essencial, pois o hábito só será assimilado com o tempo.

Se for preciso recrutar novos profissionais, procure contratar com base na cultura. Ou seja, não foque apenas nas habilidades técnicas do profissional: analise os seus valores enquanto indivíduo e veja se eles estão alinhados com o que a empresa está construindo.

Defina métricas

A cultura organizacional precisa ser vivenciada diariamente pelos profissionais que atuam na franquia. Por isso, estabeleça métricas para medir o desenvolvimento dos colaboradores de acordo com a cultura. Procure oferecer feedbacks, quando necessário, para alinhar melhor a atuação dos profissionais.

Quais os benefícios de ter uma cultura organizacional bem enraizada na equipe da franquia?

Falamos sobre o engajamento que uma cultura organizacional cria nos funcionários de uma franquia. Mas os benefícios vão muito além, como mostraremos a seguir!

Maior produtividade

Quando a equipe toda está alinhada segundo hábitos e práticas a serem seguidos, o aumento da produtividade é uma consequência. O grupo não só passa a produzir mais, como também melhora a qualidade do que é entregue ao cliente.

Aumento da lucratividade

Se a qualidade dos produtos e dos serviços oferecidos ao cliente é maior, consequentemente, a franquia consegue aumentar a sua lucratividade. Mas o faturamento crescente também é oriundo da redução de custos. Isso porque a equipe consegue padronizar processos e diminuir os retrabalhos.

Fortalecimento da imagem da franquia

Uma franquia já consolidada tem uma imagem a zelar. Por isso, ela geralmente tem uma cultura organizacional forte. Se você tem uma unidade franqueadora, precisará seguir algumas regras, mas também poderá estabelecer as suas. Por isso, nesse momento, busque fortalecer a imagem da franquia para criar confiança do mercado no qual está inserido.

Diferentemente de metas e de outros aspectos que envolvem o gerenciamento da empresa, a cultura da empresa tem a sua própria maneira de ser controlada. É por meio de ações e de vivência diária que a cultura é desenvolvida e cultivada em meio às equipes. Quando esse trabalho flui, os funcionários passam a se comportar de maneira alinhada aos valores da franquia, fazendo com que ela colha bons frutos.

E então, gostou do nosso artigo? Que tal continuar recebendo conteúdos como este, diretamente no seu e-mail? Assine a nossa newsletter!

 

Abra o seu próprio negócio

Modelos de franquia: qual o ideal para seu perfil profissional?

Os números do mercado de franquia continuam a animar as pessoas que decidem investir no segmento. Segundo um estudo sobre desempenho da Associação Brasileira de Franchising (ABF), só em 2017 o faturamento das franquias foi de R$ 163 bilhões distribuídos em mais de 145 mil unidades pelo país.

O documento também apontou uma maior diversificação dos negócios e a interiorização dos empreendimentos, abrindo espaço para os novos modelos de franquia.

A seguir, mostraremos alguns desses modelos e as principais diferenças entre eles. Ao final daremos algumas dicas de como escolher a opção mais adequada ao seu perfil profissional. Confira!

Franquia unitária

Esse modelo é considerado o mais comum entre as diferentes franquias existentes no mercado. O franqueado ganha o direito de trabalhar com a marca, mas para isso precisa atender a algumas exigências contidas em um contrato específico.

Ela se caracteriza por não permitir a instalação de outra franquia da marca no mesmo ponto comercial, como acontece em shoppings centers com determinadas lojas e restaurantes, por exemplo.

Vale lembrar que o local onde será instalada a unidade de negócio também é preestabelecido pelo franqueador.

Franquia master

As franquias master têm uma característica bastante específica, elas são utilizadas pelas marcas que almejam expandir ou mesmo se internacionalizar.

Consequentemente, concedem ao franqueado o poder de abrir ou de terceirizar unidades da franquia em uma região, sendo que ele receberá um percentual dos royalties e das taxas da franquia aberta, repassando parte ao franqueador.

Ou seja, é oferecido ao empreendedor o direito de revender a “marca”. Nesse caso, o conhecimento de operação, subfranqueando unidades. Por esse motivo, é de suma importância que o franqueado possua um alto poder de investimento, já que ele coordenará toda a operação da região — no entanto, se o local comportar, ele terá a chance de obter altos lucros.

Franquia de conversão

A franquia de conversão é uma modalidade na qual o indivíduo, que já possui uma empresa, adapta o negócio a uma franquia existente no mercado.

Ele é adotado, principalmente, por empreendedores que desejam maior especialização da empresa, pois a parceria oferece a ele alguns padrões já desenvolvidos dentro do modelo de franchising, um renome de marca e todo o aporte de uma empresa já reconhecida no mercado.

A conversão costuma apresentar outra vantagem: o investimento do empreendedor precisará ser bem menor. Isso porque ele já terá boa parte do material, pontos de venda e outros insumos importantes para o desenvolvimento do negócio.

Essa adaptação também é uma forma de impulsionar vendas, visto que ele terá acesso a um conhecimento de marketing da franqueadora.

Franquia de desenvolvimento de área

A franquia de desenvolvimento de área se parece bastante com o modelo de franquia master. O franqueado pode abrir várias unidades do negócio em uma região, além de ter a possibilidade de vendê-las.

A diferença para a master é que, nesse modelo, o franqueado tem a obrigação de desenvolver as franquias, gerindo-as de maneira direta e não por meio de subfranqueados.

Entre as vantagens, há uma maior centralização do desenvolvimento do negócio, facilitando o processo de supervisão por parte do franqueador sobre a expansão em determinado território.

Para o franqueado, a possibilidade de deter os direitos de exploração da marca em território permite o estabelecimento de planos de expansão melhores. Esse é um modelo para aqueles indivíduos que desejam crescimento e possuem interesse em coordenar grandes empreendimentos.

Franquia shop in shop

O modelo shop in shop é perfeito para quem almeja a ampliação dos negócios. Nesse caso, o franqueado pode incorporar outra marca dentro do espaço do seu negócio, geralmente, um quiosque. A ideia é comercializar produtos complementares aos que já são vendidos no empreendimento.

O interessante desse modelo é que ele permite ao empreendedor diversificar a sua fonte de lucros e ainda conquistar clientes específicos adeptos à marca que será instalada no negócio.

Microfranquia

As microfranquias são caracterizadas por exigirem investimentos abaixo de R$ 90 mil. Elas são o modelo ideal para quem deseja iniciar o negócio, mas não possui um grande capital para investir. Geralmente, as microfranquias mais comuns são no ramo de serviços.

Devido ao baixo custo, o modelo de operações também costuma ser mais enxuto, permitindo ao empreendedor coordenar o negócio da sua própria residência. O modelo tem crescido no Brasil e é uma das apostas para o ano de 2018.

Franquia combinada

No caso das franquias combinadas, o negócio funciona de maneira distinta das outras opções apresentadas. Isso porque o mesmo empreendimento pode reunir diferentes marcas em um único local. Basicamente, o fornecedor é o franqueador, e o empresário que distribui os produtos é o franqueado.

Normalmente, isso ocorre nas lojas de esportes. Nesse tipo de empreendimento são combinadas diferentes marcas dentro de um único lugar. Desse modo, é bastante comum que esse modelo esteja associado ao shop in shop, pois algumas mantêm espaços exclusivos internamente.

 

perfil-empreendedor
Faça já o teste e descubra se você tem Perfil Empreendedor

 

Dicas para escolher entre os modelos de franquias existentes

Depois de conhecer os modelos de franquias que apresentamos é necessário aprender como escolher aquele que mais se encaixa no seu perfil de empreendedor. Para isso é importante levar em consideração as dicas que apresentaremos a seguir!

Saiba quanto tem para investir

Não dá para comprometer 100% do seu orçamento com a instalação da franquia. Afinal, você precisará de capital de giro para iniciar o negócio. Por esse motivo, faça os cálculos do montante disponível a fim de escolher a opção que se encaixe melhor na sua realidade.

Estude o segmento

Depois de saber exatamente quanto tem para investir é hora de estudar as franquias existentes no segmento escolhido por você.

Seja no ramo alimentício, beleza, serviços, educação ou outros, pesquise as franquias que se adequem à realidade do local em que ela será instalada. Algumas das áreas que citamos, como a educação, estão em franca expansão. Isso porque as pessoas estão cada vez mais preocupadas com a qualificação profissional.

Mas lembre-se: independentemente do setor escolhido, veja se a rede exige um número mínimo de habitantes na cidade, algumas estabelecem esses tipos de regras.

Procure se identificar com a marca

Você se identifica com a marca da qual pretende ter uma franquia? Se a resposta for não, é bom repensar essa escolha!

Afinal, você precisa ter afinidade com o segmento para poder desenvolver a franquia e obter sucesso com ela. Só assim você terá motivação para continuar aperfeiçoando os produtos e serviços oferecidos, bem como terá mais facilidade para entender o mercado em que está inserido.

Faça uma análise operacional

Cada franquia tem as suas especificidades operacionais. Ter domínio sobre elas é essencial para evitar dores de cabeça no futuro!

Sendo assim, procure conversar com outros franqueados da marca sobre as dificuldades, o relacionamento que eles têm com a marca franqueadora, e entender sobre o comprometimento da marca-mãe com o aperfeiçoamento e inovação contínuos do empreendimento.

Conhecendo os modelos de franquias existentes no mercado e seguindo as dicas apresentadas, a escolha pelo negócio mais alinhado ao seu perfil será bem mais simples. Consequentemente, as chances de sucesso também se multiplicarão.

Ainda tem alguma dúvida sobre o assunto? Quer saber algo em específico sobre o mercado de franquias? Deixe o seu comentário aqui embaixo!